Omni-Channel is BSAs ferramentas estão disponíveis, mas é importante saber se são relevantes para os clientes

Leia o resto deste post »

Resultado de imagem para 360-degree video snapchatInterações são duas a três vezes maiores ao usar a plataforma
Marcas como Universal Pictures, Chick-fil-A e Netflix estão experimentando os vídeos 360 graus do Snapchat, e Michael Rucker, da OmniVirt, disse que os clientes de sua empresa estão vendo taxas de “swipe-up” (quando o usuário passa o dedo na tela de um dispositivo mobile para dirigir a ação) duas a três vezes superiores quando usam o formato. Nick Cicero, da Delmondo, prevê que o uso de vídeos 360 graus vai crescer muito na plataforma, “porque o ato de swiping up é muito poderoso, pois sinaliza intenção”. Fonte: Digiday

Google lança programa de extensões para Gmail

O Google está fazendo o possível para que desenvolvedores levem seus serviços para o Gmail, usando novas integrações chamadas Add-ons. São construídos de tal form que os desenvolvedores só precisem escrever um conjunto de códigos na linguagem Apps Script, do Google. Assim, uma extensão QuickBooks permitiria que os usuários enviassem facilmente faturas para seus clientes. O Google já oferece extensões para seus softwares de processamento de texto, Docs, e planilhas, Sheets. Esse tipo de sistema pode ser útil para os usuários porque os ajuda a terminar seus trabalhos sem sair do Gmail. Também ajuda a atrair os usuários para o app oficial de email do Google, em vez de usar um dos vários outros clientes que podem acessar o serviço, incluindo o Microsoft Outlook. Fonte: CIO.com

Vídeos nativos do Facebook tem uma taxa de compartilhamento 1.055% superior ao do YouTube
Vídeo nativo está se tornando imensamente importante. Com 25% dos usuários nos EUA adotando um bloqueador de anúncio no ano passado, o conteúdo nativo é como os anunciantes estão evitando o problema. E o video nativo é uma das razões pelas quais o marketing de influenciadores e o conteúdo gerado pelo usuário tornou-se tão importante Em um estudo publicado nesta segunda, 13/3, pela Quintly, empresa de análise de mídias sociais — que usou dados de 6,2 milhões de posts de 167 mil perfis do Facebook durante 2016 — uma coisa é clara: o vídeo nativo não apenas tomou conta do Facebook como fez isso por causa do design. O Facebook está determinado a alcançar e ultrapassar o YouTube na guerra de vídeos. Em 2015, a VB Insight estudou as duas plataformas e descobriu que o YouTube ainda era 11X maior do que o Facebook. Na época, os americanos passaram um agregado de 8.061 anos no YouTube e 713 anos no Facebook. Mas com os vídeos rodando automaticamente nos timelines e um design que reduz a importância das outras plataformas de vídeo, a gigante das redes sociais está diminuindo a dianteira do YouTube. “Nosso último estudo já mostrou os vídeos nativos do Facebook como dominantes na rede social”, contou Nils Herrmann, da Quintly. Em dezembro de 2016, mostrou o estudo, o desempenho foi 186% superior aos videos do YouTube e a taxa de compartilhamentos foi 1.055% superior. Outra prova do acerto da tática do Facebook é o fato de que os compartilhamentos de vídeos do Vimeo praticamente desapareceram inteiramente da rede — apenas 2% dos perfis incluíram um link do Vimeo em seus feeds. Fonte: Venture Beat

Analytics não devia buscar retornos rápidos. Veja por que abaixo

Grandes consultorias estão se reinventando e ganhando cada vez contas de marketing digital Leia o resto deste post »

Ballykdy/iStockColocar as marcas à vista dos consumidores tem um valor positivo
Um estudo sobre anúncios de busca no eBay feito em 2015 revelou que eles tinha pouco efeito sobre o tráfego, mas um estudo mais recente da Yelp descobriu que pequenos negócios vêem a publicidade de busca tendo um impacto positivo significativo. “Marcas maiores deveriam usar os anúncios de busca para promover coisas sobre a marca que as pessoas não conseguiriam descobrir de outra forma”, disse Michael Luca, professor de Harvard, sobre as conclusões. Luca e sua colega Daisy Dai, atualmente professora na Lehigh University, criaram uma amostra aleatória com 18.295 restaurantes, selecionaram 7.210 que nunca haviam anunciado no Yelp, e desenvolveram pacotes de anúncios grátis para cada um que estava naquele grupo (os restaurantes não sabiam nada sobre os anúncios ou o experimento). Durante os três meses seguintes, eles rastrearam cuidadosamente o engajamento do usuário com todos os restaurantes. Depois, tiraram os anúncios para ver o que acontecia. Eles descobriram que, enquanto os anúncios estavam no ar, os restaurantes que foram incluídos, obtiveram mais page views do que os outros — 22% mais nos browsers para desktops, 30% mais nos dispositivos móveis. e 25% mais no geral. Os usuários buscaram rotas para chegar neles com uma frequência 18% maior, ligaram para eles 13% mais, e clicaram 9% mais frequentemente em seus websites. As diferenças desaparecerm tão logo os anúncios foram cancelados. “Isso foi um grande efeito”, disse Luca. “Parece que os anúncios no Yelp são um investimento positivo, ainda que o negócio não anuncie normalmente. O valor que os anúncios no Yelp parecem fornecer está em colocar as marcas à vista dos consumidores.” Fonte: Harvard Business Review

 

Advertisers have even less time to connect as mobile video hits turning point

Usuários mobile preferem vídeos mais curtos. Confira abaixo

Estudo da Fjord Accenture revela as oito tendências digitais que darão o tom para marcas e empresas em 2017 Leia o resto deste post »

Resultado de imagem para delete appPrincipal motivo: “o app não é útil” — mas isso não é tudo Leia o resto deste post »

Estudo da Forrester aponta para mudança de quantidade para qualidade

Leia o resto deste post »

Marketing Digital

Onde está o valor no Marketing Digital Em inglês

O que é remarketing Em espanhol

Guia de consulta para Search Engine Optimization Em inglês Leia o resto deste post »

Resultado de imagem para predictions 2017Estamos em plena temporada de previsões. Inclusive no mundo da mídia e do marketing. Normal: todo mundo gosta de antecipar o que vem por aí. Principalmente se a maioria dessas antevisões estiver pintada em belos tons róseos.

Mas há quem prefira sentir os pés mais firmes no chão. E foi precisamente para esses realistas (ou pessimistas, se quiser) que o editor Matt Willens, do site Digiday, preparou este apanhado de “antiprevisões”. Leia o resto deste post »

Mesmo não sendo Papai Noel, é praticamente certo que você amanhã estará repassando a lista de presentes para garantir que não vai esquecer ninguém. Leia o resto deste post »