IBGE:

O Brasil tem 190.755.799 habitantes. É o que constata a Sinopse do Censo Demográfico 2010, que contém os primeiros resultados definitivos do XII Recenseamento Geral do Brasil. A publicação oferece uma série de informações, desde o primeiro Censo, realizado em 1872, sobre a evolução demográfica do País, dados populacionais por sexo e grupos de idade, média de moradores em domicílios particulares ocupados e número de domicílios recenseados, segundo a espécie (ocupados, vagos, fechados, uso ocasional, coletivos) e situação urbana e rural. A publicação impressa é acompanhada por um CD-ROM onde as informações estão em níveis geográficos mais detalhados: Unidades da Federação, municípios, distritos e Regiões Metropolitanas. Também contém 21 tabelas com alguns resultados preliminares do Conjunto Universo do Censo 2010 para as Grandes Regiões e Unidades da Federação, com a população por cor ou raça, pessoas responsáveis pelos domicílios particulares, cônjuges das pessoas responsáveis pelos domicílios particulares, existência de compartilhamento da responsabilidade pelo domicílio, pessoas com registro de nascimento em cartório, alfabetização, rendimento domiciliar, mortalidade e algumas características dos domicílios particulares permanentes.

Nos próximos meses, o IBGE divulgará novos dados do Censo de 2010 sobre a estrutura territorial do País, a malha dos setores censitários e novas informações sociais, econômicas, demográficas e domiciliares referentes aos dados do universo, conforme pode ser conferido no calendário de divulgações:www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/calendario.shtm

A publicação completa pode ser acessada na páginawww.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/default_sinopse.shtmO hotsite www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse disponibiliza tabelas e gráficos variados até o nível de município. Por fim, no linkwww.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/webservice há uma ferramenta de consulta dos resultados que pode ser implementada em qualquer site.

A seguir alguns destaques da Sinopse do Censo Demográfico 2010.

Censo visitou 67,5 milhões de domicílios em 5.565 municípios

O Censo Demográfico é a mais complexa operação estatística realizada por um país, sobretudo quando ele tem dimensões continentais como o Brasil, com8.515.692,27 km², distribuídos em um território heterogêneo, muitas vezes de difícil acesso, composto por 27 Unidades da Federação e 5.565 municípios. Trabalharam nessa operação 230 mil pessoas, sendo 191 mil recenseadores. Foram investidos R$ 1,2 bilhão durante o ano de 2010, o equivalente a quatro dólares por habitante.

Os recenseadores visitaram 67,5 milhões de domicílios no período de 1º de agosto a 31 de outubro de 2010 e ao menos um morador forneceu informações sobre todos os moradores de cada residência. Os primeiros resultados sobre a população dos municípios foram divulgados no Diário Oficial da União de 4 denovembro de 2010, e as prefeituras tiveram 20 dias para apresentar suas avaliações sobre os números divulgados. O IBGE realizou nesse mesmo período um trabalho de supervisão e controle de qualidade de todo material coletado, em conjunto com as Comissões Censitárias Estaduais (CCE) e as Comissões Municipais de Geografia e Estatística (CMGE), que funcionaram como um canal de comunicação entre o IBGE e a sociedade e participaram de todo o processo de realização do Censo.

Em 29 de novembro de 2010, o IBGE divulgou as populações dos municípios, que indicavam uma população de 190.732.694, 23.105 pessoas a menos que o resultado definitivo agora divulgado. Isso ocorre porque esses resultados eram provenientes de um banco de dados resumo e receberam um tratamento de validação para verificar eventuais omissões e duplicidades na transmissão das informações. Além disso, municípios com áreas indígenas como, por exemplo, São Gabriel da Cachoeira (AM) e Boca do Acre (AM), de difícil acesso e onde a transmissão dos dados é mais complexa, registraram acréscimo de população depois do fim da coleta.

Para alcançar os melhores padrões de qualidade no Censo 2010, o IBGE introduziu várias inovações gerenciais, metodológicas e tecnológicas, com destaque para a atualização da base territorial digital, a adoção do computador de mão equipado com GPS para a coleta dos dados, e a internet como alternativa para preenchimento do questionário. As inovações tecnológicas usadas no Censo 2010, o primeiro no mundo a ser feito de forma totalmente digital, levaram o IBGE a ser um dos dez premiados, em fevereiro de 2011, pela Unesco e a Netexplorateur, ONG francesa pelo desenvolvimento da sociedade digital.

899 mil domicílios tiveram sua população estimada em 2010

Do total dos 67,5 milhões de domicílios recenseados, foram realizadas entrevistas em 56,5 milhões de domicílios (83,7%). Foram classificados comofechados 899 mil domicílios (1,3%), nos quais não foi possível realizar as entrevistas, mas havia evidências de que existiam moradores. Nesses casos, após terminar a coleta e as supervisões de campo, o IBGE utilizou uma metodologia para estimar o número de pessoas residentes nos domicílios fechados. Esta prática é adotada por vários Institutos Oficiais de Estatística de países como Estados Unidos, Canadá, Austrália, México e Reino Unido, e já havia sido utilizada na Contagem da População 2007 realizada pelo IBGE.

A metodologia para estimar o número de pessoas residentes nos domicílios fechados consiste em atribuir a cada domicílio fechado o número de moradores de outro domicílio, que havia sido inicialmente considerado fechado e depois foi recenseado. A escolha é aleatória, levando em conta a Unidade da Federação, o tamanho da população do município e a situação urbana ou rural. A população total estimada no Censo 2010 por esse procedimento é de 2.795.533 pessoas.

Ao se realizar comparações dos dados populacionais de 2010 com os anos anteriores, será necessário observar que no Censo 2010, pela primeira vez, foi utilizada a estimação dos moradores de domicílios fechados.

O Censo Demográfico 2010 também encontrou 6,1 milhões (9,0%) de domicíliosvagos, ou seja, domicílios que não tinham morador na data de referência (noite de 31 de julho para 1º de agosto de 2010), mesmo que, posteriormente, tivessem sido ocupados. Prédios construídos mas não habitados, casas colocadas à venda ou para aluguel são exemplos de domicílios vagos.

Os domicílios de uso ocasional, que somaram 3,9 milhões (5,8%), são aqueles que servem ocasionalmente de moradia, usados para descanso de fins de semana, férias ou outra finalidade.

Já o número de domicílios coletivos (hotéis, pensões, presídios, quartéis, postos militares, asilos, orfanatos, conventos, alojamento de trabalhadores etc.) foi de 110 mil (0,1%).

Em 2000, do total de 54,3 milhões de domicílios, 45 milhões eram ocupados, 528 mil fechados, 6 milhões vagos e 2,7 milhões de uso ocasional.

População brasileira cresce quase 20 vezes desde 1872

A população do Brasil alcançou a marca de 190.755.799 habitantes na data de referência do Censo Demográfico 2010 (noite de 31 de julho para 1º de agosto de 2010). A série de censos brasileiros mostra que a população experimentou sucessivos aumentos em seu contingente, tendo crescido quase vinte vezes desde o primeiro recenseamento realizado no Brasil, em 1872, quando tinha9.930.478 habitantes.

Até a década de 1940, predominavam altos níveis de fecundidade e mortalidade no País. Com a diminuição desta última em meados dos anos 1940 e a manutenção dos altos níveis de fecundidade, o ritmo do crescimento populacional brasileiro evoluiu para quase 3,0% ao ano na década de 1950. No começo dos anos 60, os níveis de fecundidade começaram lentamente a declinar, queda que se acentuou na década seguinte. Esse fato fez com que as taxas médias geométricas de crescimento anual da população subsequentes também caíssem. Em comparação com o Censo 2000, a população do Brasil apresentou um crescimento relativo de 12,3%, o que resulta em um crescimento médio geométrico anual de 1,17%, a menor taxa observada na série em análise.

Regiões Norte e Centro-Oeste apresentam maior crescimento populacional

Entre 2000 e 2010, o crescimento populacional não se deu de maneira uniforme entre as Grandes Regiões e Unidades da Federação. As maiores taxas médias geométricas de crescimento anual foram observadas nas regiões Norte (2,09%) e Centro-Oeste (1,91%), onde a componente migratória e a maior fecundidade contribuiram para o crescimento diferencial. As dez Unidades da Federação que mais aumentaram suas populações em termos relativos se encontram nessas duas regiões, com destaque para Amapá e Roraima, que apresentaram um crescimento médio anual de 3,45% e 3,34%, respectivamente. As regiões Nordeste (1,07%) e Sudeste (1,05%) apresentaram um crescimento populacional semelhante. A região Sul (0,87%), que desde o Censo de 1970 vinha apresentando crescimento anual de cerca de 1,4%, foi a que menos cresceu, influenciada pelas baixas taxas observadas no Rio Grande do Sul (0,49%) e no Paraná (0,89%).

Por deter o maior contingente populacional, o Sudeste foi responsável pela maiorparcela do incremento populacional em termos absolutos, tendo absorvido 37,9% do crescimento total do País entre os dois últimos censos. O segundo lugar em importância correspondeu ao Nordeste, cujo peso no incremento populacional entre 2000 e 2010 alcançou 25,5%. Essas duas regiões detiveram 63,4% (13,3 milhões de pessoas) do total do incremento da população na última década. As Unidades da Federação com maior participação absoluta no crescimento populacional do País na década passada foram São Paulo (20,2% do incremento populacional, ou 4,2 milhões de pessoas), Minas Gerais (8,1%, ou 1,7 milhão), Rio de Janeiro (7,6%, ou 1,6 milhão), Pará (6,6%, ou 1,4 milhão) e Ceará (4,9%, ou 1,0 milhão). Estas duas últimas assumiram os postos que na década anterior eram de Bahia e Paraná.

As regiões mais populosas foram a Sudeste (com 42,1% da população brasileira), Nordeste (27,8%) e Sul (14,4%). Norte (8,3%) e Centro-Oeste (7,4%) continuam aumentando a representatividade no crescimento populacional, enquanto as demais regiões mantêm a tendência histórica de declínio em sua participação nacional.

Os estados mais populosos do Brasil – São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Bahia, Rio Grande do Sul e Paraná – concentram, em conjunto, 58,7% da população total do País. São Paulo é o estado com a maior concentração municipal de população, onde os 32 maiores municípios (5,0%) concentram quase 60,0% dos moradores do estado. A menor concentração acontece no Maranhão, onde a população dos 11 maiores municípios, que também representam cerca de 5,0%, corresponde a 35,4% do total do estado.

Na década de 2000, foram criados 58 novos municípios

No Censo Demográfico 2010 foram pesquisados 5.565 municípios, que tiveram sua participação relativa nas regiões Nordeste (32,2%), Sudeste (30,0%) e Norte (8,1%) inferior àquela calculada com os 5.507 municípios existentes no Censo Demográfico 2000. As Regiões Sul (21,3%) e Centro-Oeste (8,4%) aumentaram suas participações no número de municípios do País, já que na última década foram justamente essas regiões as mais contempladas com novos municípios. ARegião Sul teve um incremento de 29 municípios (todos eles no Rio Grande do Sul), enquanto no Centro-Oeste surgiram 20 novos municípios no período de 2000 a 2010, sendo 15 deles no Mato Grosso.

Entre os municípios mais populosos, 15 apresentaram população superior a 1 milhão de habitantes, contra 13 em 2000. Somente este grupo reunia 40,2 milhões de pessoas em 2010, o que corresponde a 21,1% da população total do País. Os três municípios mais populosos continuaram sendo São Paulo (11.253.503 habitantes), Rio de Janeiro (6.320.446) e Salvador (2.675.656). Belo Horizonte (2.375.151) passou a ser o sexto mais populoso em 2010, sendo superado por Brasília (2.570.160) e Fortaleza (2.452.185).

Entre os 15 municípios com mais de 1 milhão de habitantes, os que mais cresceram em dez anos foram Manaus (1.802.014 pessoas em 2010), que com uma taxa de 2,51% ao ano, passou de nono para sétimo mais populoso; e Brasília (2.570.160), que passou de sexto para quarto, com um crescimento médio anual de 2,28%. Porto Alegre (1.409.351 pessoas) foi o município que menos cresceu nesse grupo, com incremento anual de apenas 0,35% ao ano.

As capitais das regiões Norte e Nordeste cresceram mais que os demais municípios de suas respectivas Unidades da Federação, com exceção do Pará, Maranhão, Rio Grande do Norte e Pernambuco. A maior diferença entre as taxas médias geométricas de crescimento anual foi observada no Tocantins, onde Palmas – a capital que mais cresceu no Brasil – apresentou uma taxa de 5,21%, enquanto os demais municípios do estado cresceram 1,25% ao ano. Na Região Sul, Curitiba e Florianópolis cresceram mais que o conjunto dos demais municípios de seus estados, enquanto Porto Alegre – capital com o menor crescimento populacional, de 0,35% ao ano – cresceu menos que os outros municípios do Rio Grande do Sul (também o menor crescimento entre o grupo dos demais municípios, de 0,51%). Na Região Centro-Oeste, com exceção do Mato Grosso do Sul, o crescimento dos municípios das capitais foi menor que o dos demais municípios, ocorrendo o mesmo em todos os estados do Sudeste.

Maranhão, Piauí e Pará apresentam os menores graus de urbanização

O acréscimo de quase 23 milhões de habitantes urbanos resultou no aumento dograu de urbanização, que passou de 81,2% em 2000, para 84,4% em 2010. Esse incremento foi causado pelo próprio crescimento vegetativo nas áreas urbanas, além das migrações com destino urbano.

Os critérios adotados para subdividir o espaço territorial brasileiro em áreas urbanas e rurais são baseados nas legislações de cada muncípio brasileiro. As áreas urbanas são áreas internas ao perímetro urbano de uma cidade ou vila, sendo este perímetro definido por lei municipal. As áreas rurais são as áreas externas aos perímetros urbanos, que também são definidas po lei municipal.

Dentro de um perímetro urbano definido em lei municipal, podem existir áreas urbanizadas, áreas não urbanizadas e até mesmo áreas urbanas isoladas. Estas últimas são caracterizadas por serem separadas da sede municipal, ou distrital, por uma área rural ou por outro limite legal. Da mesma forma, as áreas rurais podem ser classificadas como aglomerados rurais de extensão urbana, povoados, núcleos ou outros aglomerados, todos eles também definidos por legislação municipal.

A região Sudeste continua sendo a mais urbanizada do Brasil, apresentando um grau de urbanização de 92,9%, seguida pelas regiões Centro-Oeste (88,8%) e Sul (84,9%), enquanto as regiões Norte (73,5%) e Nordeste (73,1%) têm mais de 1/4 dos seus habitantes vivendo em áreas rurais. Rio de Janeiro (96,7%), Distrito Federal (96,6%) e São Paulo (95,9%) são as Unidades da Federação com maiores graus de urbanização. Os estados que possuem os menores percentuais de população vivendo em áreas urbanas estão concentrados nas regiões Norte e Nordeste, sendo que Maranhão (63,1%), Piauí (65,8%) e Pará (68,5%) apresentam os índices abaixo de 70%.

País tem 96 homens para cada 100 mulheres

Segundo o Censo Demográfico 2010, há no Brasil uma relação de 96,0 homens para cada 100 mulheres, como resultado de um excedente de 3.941.819 mulheres em relação ao número total de homens. Com este resultado, acentuou-se a tendência histórica de predominância feminina na população do Brasil, já que em 2000 o indicador era de 96,9 homens para cada 100 mulheres.

A região Norte é a única que apresenta o número de homens superior ao de mulheres (relação de 101,8 para cada 100), sendo que todos os seus estados apresentam também razão de sexo superior a 100%. Nas demais regiões, as razões de sexos são as seguintes: Centro-Oeste, 98,6 homens para cada 100 mulheres; Sul, 96,3 homens para cada 100 mulheres; Nordeste, 95,3 homens para cada 100 mulheres respectivamente; e Sudeste, 94,6 homens para cada 100 mulheres.

Entre os estados, a maior razão de sexo está em Mato Grosso, com 104,3 homens para cada 100 mulheres. A Unidade da Federação que apresenta a menor razão de sexo é o Rio de Janeiro: 91,2 homens para cada 100 mulheres. Com exceção do Amazonas, todas as Unidades da Federação apresentam queda na razão de sexos entre 2000 e 2010.

Embora no conjunto da população do Brasil haja o predomínio feminino, em mais de 60,0% dos municípios observa-se um superávit masculino, fato decorrente das correntes migratórias. Entretanto tal predominância ocorre em municípios menos populosos. Cerca de 80,0% dos municípios com menos de 5.000 habitantes possuem mais homens do que mulheres em suas populações, ao passo que em todos os municípios com mais de 500 mil habitantes o número de mulheres é superior ao de homens.

Diminui a proporção de jovens e aumenta a de idosos

A representatividade dos grupos etários no total da população em 2010 é menor que a observada em 2000 para todas as faixas com idade até 25 anos, ao passo que os demais grupos etários aumentaram suas participações na última década. O grupo de crianças de zero a quatro anos do sexo masculino, por exemplo, representava 5,7% da população total em 1991, enquanto o feminino representava 5,5%. Em 2000, estes percentuais caíram para 4,9% e 4,7%, chegando a 3,7% e 3,6% em 2010. Simultaneamente, o alargamento do topo da pirâmide etária pode ser observado pelo crescimento da participação relativa da população com 65 anos ou mais, que era de 4,8% em 1991, passando a 5,9% em 2000 e chegando a 7,4% em 2010.

Os grupos etários de menores de 20 anos já apresentam uma diminuição absoluta no seu contingente. O crescimento absoluto da população do Brasil nestes últimos dez anos se deu principalmente em função do crescimento da população adulta, com destaque também para o aumento da participação da população idosa.

A região Norte, apesar do contínuo envelhecimento observado nas duas últimas décadas, ainda apresenta uma estrutura bastante jovem, devido aos altos níveis de fecundidade no passado. Nessa região, a população de crianças menores de 5 anos, que era de 14,3% em 1991, caiu para 12,7% em 2000, chegando a 9,8% em 2010. Já a proporção de idosos de 65 anos ou mais passou de 3,0% em 1991 e 3,6% em 2000 para 4,6% em 2010. A região Nordeste ainda tem, igualmente, características de uma população jovem. As crianças menores de 5 anos em 1991 correspondiam a 12,8% da população; em 2000 esse valor caiu para 10,6%, chegando a 8,0% em 2010. Já a proporção de idosos passou de 5,1% em 1991 a 5,8% em 2000 e 7,2% em 2010.

Sudeste e Sul apresentam evolução semelhante da estrutura etária, mantendo-se como as duas regiões mais envelhecidas do País. As duas tinham em 2010 8,1% da população formada por idosos com 65 anos ou mais, enquanto a proporção de crianças menores de 5 anos era, respectivamente, de 6,5% e 6,4%.

A região Centro-Oeste apresenta uma estrutura etária e uma evolução semelhantes às do conjunto da população do Brasil. O percentual de crianças menores de 5 anos em 2010 chegou a 7,6%, valor que era de 11,5% em 1991 e 9,8% em 2000. A população de idosos teve um crescimento, passando de 3,3% em 1991, para 4,3% em 2000 e 5,8% em 2010.

Média de moradores por domicílio cai para 3,3

No Brasil, a densidade domiciliar, relação entre as pessoas moradoras nos domicílios particulares ocupados e o número de domicílios particulares ocupados, apresentou um declínio de 13,2% no último período censitário, mais acentuado que os 9,6% observados entre os Censos de 1991 e 2000, passando de 3,8, em 2000, para 3,3, em 2010. Esse comportamento persistiu tanto na área urbana quanto na área rural.

A região Norte tem a maior densidade domiciliar, enquanto a Sul apresenta a menor, sendo que a tendência de declínio é uma característica geral e está diretamente relacionada à redução da fecundidade. Das cinco regiões, apenas aNorte apresenta média de moradores por domicílio igual a 4,0. Nas demais, esse valor já se situa entre os 3,1 da região Sul e os 3,5 do Nordeste. No contexto estadual, as médias oscilam entre 3,0, no Rio Grande do Sul e no Rio de Janeiro, e 4,3, nos estados do Amazonas e Amapá.

Anúncios

Li no Blue Bus (ver abaixo a nota). A bem da verdade, ele não chega a renunciar mesmo, apenas mostra seu desencanto. Mas foi o bastante para desencadear a ira de comentaristas e bloggers de direita. Confiram aqui (em inglês).

E o Super Homem acaba de renunciar à cidadania norte-americana, veja isso

08:28 Super Homem cansou de ficar limitado ao ‘American way’, quer desvincular sua imagem da identidade nacional norte-americana 🙂 está na ediçao 900 da Action Comics, veja abaixo Blue Bus por email Do Boing Boing. 28/04 Blue Bus

E o Super Homem acaba de renunciar à cidadania norte-americana, veja isso

Proxxima News:

A Universia Brasil e a UNICAMP (Universidade Estadual de Campinas) lançam o ‘Open CourseWare Unicamp‘, canal virtual com conteúdos educacionais e digitais originários de cursos de graduação da Universidade. O internauta pode baixar conteúdos gratuitamente no www.ocw.unicamp.br. O objetivo é oferecer conteúdos, como apostilas, textos, fotos, vídeos, animações, entre outros materiais, para uso gratuito da sociedade.

Segundo Ricardo Fasti, diretor geral da Universia Brasil, que acompanhou o lançamento oficial do Portal, trata-se de uma iniciativa inovadora, e a inovação é uma das características da Unicamp. “Essa ferramenta certamente mexerá com uma série de situações, inclusive com métodos pedagógicos. O desafio que fica aos professores é fazer com que os conteúdos de suas aulas também possam ser aprendidos a distância”, afirmou.

Para Marcelo Knobel, titular da Pró-Reitoria de Graduação (PRG) da Unicamp, muitos docentes já manifestaram o desejo de publicar conteúdos didáticos no portal. “Nossa tarefa foi desenvolver uma plataforma com recursos de edição, respeitando o direito autoral”, explica.

A Inventolândia, ou o Museu das Invenções, foi criado em 1966, por Carlos Mazzei, presidente da Associação Nacional dos inventores, e  desde essa época vem encantando e aguçando a curiosidade de todos, desde crianças até idosos, com seu acervo de mais de 500 invenções diferentes, únicas e mágicas, entre elas por exemplo um piano dobrável, uma maquiagem descartável, uma vela comestível, um pente pra careca, uma muleta com amortecedor, e até mesmo uma caixa de pizza que se transforma em um brinquedo.

Aproveitando a realização da 9a. Semana Nacional de Museus no Brasil, promovida pelo Ministério da Cultura e pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), e que começa no próximo dia 16 de maio, a Inventolândia irá fazer uma programação especial para as pessoas conhecerem e fazerem contato com o mundo das invenções e das inovações tecnológicas. Assim, entre os dias 16 e 20 de maio, o museu terá entrada franca e as visitas monitoradas serão divididas em três horários (10 às 12 horas, 13 às 15 horas e 15 às  17 horas), devendo ser agendadas antecipadamente. No sábado, dia 21 de maio, ás 14:30 h, acontecerá uma visita institucional, contando um pouco sobre história da Inventolândia, monitorada por Daniela MazzeiGerente Geral do espaço : “Alguns visitantes acabam se inspirando nos inventos expostos para criarem suas próprias peças. O Museu prova que a criatividade não tem limites e que qualquer pessoa pode tornar-se um inventor”, enfatiza. “É um grande impulso ao empreendedorismo”. Comenta.

 O museu está localizado na Rua Doutor Homem de Melo, 1109 – Perdizes – São Paulo. Para maiores informações visite o site www.museudasinvencoes.com.br ou entre em contato com Denise para agendar sua visita, através do telefone: (11) 3873-3211 ou e-mail: museu@inventores.com.br .

 Adnews:

Enquanto a Foxconn não começa a montar o iPad por aqui, a empresa nacional Moove decidiu produzir um tablet brasileiro de menor custo. O Win Tab Moove, de 10 polegadas, estará disponível no final de maio ao preço de R$ 800, informou a empresa nessa quarta-feira, 27.

O tablet tem tela sensível ao toque, memória e 1GB (expansível até 32 GB), modem 3G embutido e Wi-Fi. O valor anunciado é válido para consumidores finais, enquanto que no caso de pedidos corporativos, o preço ainda pode ser reduzido significativamente de acordo com a quantidade de unidades comprada.
A Moove prepara ainda uma outra versão com tela de 8 polegadas com as mesmas configurações.

Ficha técnica
Tela: 10,1” touch Screen resistivo com resolução de 1024 x 600 pixels
CPU: IMAPX200BM1-80 1G
Memória: 1 GB (expansível até 32 GB)
Audio: 2 auto-falantes embutidos de 1 W
Wireless: 802.11b/g
Leitor de cartão: suporta microSD  e interface SDIO
Câmera: não possui
Conectividade: saída para headphone; USB; RJ-45
Bateria e carregador: íon de Lítio recarregável de 2000 mAh / AC 220V 50/60 Hz / DC 9V/2A
Dimensões (mm): 270 x 180 x 15
Peso: 660 g
Sistema operacional: Android Honeycomb 3.0
Com informações do G1

M&M Online:

Os fundadores do YouTube, Chad Hurley e Steve Chen, são os novos donos do Delicious. O serviço de compartilhamento de bookmarking será integrado à nova empresa da dupla, batizada de Avos. Os valores do negócio não foram divulgados pelo Yahoo, a quem o serviço pertencia desde 2005.

Apesar de não ter revelado planos concretos para o Delicious, os novos sócios – que venderam o YouTube para o Google por US$ 1,76 bilhão, um ano e meio após terem criado o site de postagens de vídeos – deram alguma dicas do trabalho a ser feito.

“Estamos tendo uma tremenda oportunidade de simplificar a forma como os usuários salvam e compartilhar o conteúdo descoberto em qualquer lugar na web”, disse Hurley, CEO da Avos.

O destino do Delicious, criado em 2003, vinha sendo alvo de boatos desde que o Yahoo anunciou, no ano passado, a intenção de vender a plataforma.

M&M Online:

A Sony apresentou nesta terça-feira 26, em Tóquio, no Japão, os dois modelos de tablets que colocará no mercado no segundo semestre. Operados pelo sistema Android 3.0, os aparelhos são compatíveis com outras linhas da marca, como o console PlayStation e as TVs Bravia.

O dispositivo maior, chamado de S1, tem uma tela de 9,4 polegadas. Já o menor, o S2, é dobrável e tem dois displays de 5,5 polegadas, que podem ser usados como telas complementares ou transformadas em um teclado, por exemplo. Ambos têm conexões wi-fi, 3G e 4G.

Os tablets da Sony serão lançados nos mercados americano, europeu e asiático em setembro.

Tem um livro que a gente gosta muito aqui no Laboratório. Chama-se The Wisdom of Crowd e, na contramão do que muita gente acredita e prega, o autor,  James Surowiecki,  defende que a agregação de informação em grupos resulta em decisões que são quase sempre melhores do que as que poderiam ser feitas por qualquer membro do grupo. Mesmo quando um dos membros do grupo é um gênio.

Pois no site da Pequenas Empresas Grandes Negócios, saiu uma reportagem que mostra algo bem nessa linha, que “as melhores sacadas não vieram de mentes brilhantes, mas sim de gente que quebrou a cabeça do jeito certo”. A imagem do gênio está associada ao Newton, deitado em baixo de uma árvore e “descobrindo” a lei da gravidade quando uma maçã lhe caiu à cabeça. Claro que, na realidade, não foi nada disso e o grande físico e matemático ralou que nem louco para desenvolver as equações que comprovavam suas hipóteses.

E a revista vai nessa linha, afirmando que “cada vez mais, contudo, pesquisadores do mundo inteiro têm mostrado que raríssimas vezes as ideias chegam de surpresa, como meros frutos do destino. Em todas as áreas, da ciência e tecnologia às artes e também no mundo dos negócios, as descobertas apontam para a máxima de Thomas Edison: “Genialidade é 99% de transpiração e 1% de inspiração”.”

A reportagem é cheia de exemplos. Vale a pena ler.

Depois do Google, é a vez do Facebook anunciar o lançamento do seu site de compras coletivas, o Deals. Começa hoje e funciona para San Francisco, Austin, Dallas, Atlanta e San Diego. Facebook revelou ao The New York Times que as ofertas locais para os usuários do Deals serão entregues via email e também aparecerão nos ´feeds´ dos usuários.

Fonte: Mashable.com

Adnews:

Em janeiro, depois de ver US$ 6 bilhões serem recusados pelo Groupon, o Google decidiu que, ao invés de comprar um, faria ele mesmo seu site de compras coletivas. Apenas três meses depois, entra no ar a versão beta do Google Offers.

A princípio, apenas usuários de Portland, em Oregon, nos Estados Unidos, aproveitam a novidade. Mas quem mora em Nova Iorque, Oakland e São Francisco também tem opção para se cadastrar e, além disso, qualquer cidadão americano pode mandar um requerimento ao Google e, assim que o Offers estiver disponível no local, ser avisado.

O site promete descontos de “50% ou mais” em diversos lugares e funciona da mesma forma que o Groupon ou o LivinSocial. Quem estiver cadastrado recebe um e-mail diário com uma oferta local, então pode adquirir aquilo dentro de um prazo determinado. Com muitas pessoas comprando, consegue-se os descontos.

Apesar de estar em versão beta, já há campo para empresas que estiverem interessadas se cadastrarem no novo serviço do gigante de buscas. Para acessar o Offers basta efetuar o login no Google, modelo adotado em todos os serviços da companhia. O site ainda se conecta a Facebook, Twitter e Buzz.