Com pouco menos de 150 milhões de assinantes, o Netflix é o maior serviço de assinatura do planeta. Mas, como diria Luke Skywalker, até a Estrela da Morte tinha vulnerabilidades. É o que veremos neste artigo publicado no site Digiday e que traduzi e adaptei para este espaço

Você continua apostando na Netflix? Então é bom saber que, ainda este ano, a Disney, a WarnerMedia e a Apple, buscando construir seus próprios negócios de vídeo direto ao consumidor, devem lançar serviços de streaming concorrentes.

Já em pleno embalo, os serviços de streaming da Amazon e do Hulu devem continuar crescendo. Enquanto isso, os custos da Netflix continuam aumentando à medida que a empresa gasta agressivamente mais e mais em conteúdo original – e assume dívidas para financiar esses projetos. E com o crescimento doméstico nos EUA desacelerando, a Netflix começou a aumentar alguns preços em mercados estabelecidos – esperando usar parte dessa receita para financiar os custos de produção.

Tudo isso mostra que, embora a Netflix tenha uma grande vantagem inicial, e os investidores tenham dado à Netflix tenham despejado não um caminhão mais um Boeing de dinheiro para que a empresa possa perseguir suas ambições globais, a empresa não está à salvo grandes desafios.

Já falamos que os clientes terão em breve mais opções de streaming para escolher? Bem, a Netflix disse publicamente que não vê a Disney + ou outros serviços futuros como ameaças. E há quem concorde com isso. “Muitos estão retratando [streaming de vídeo] como um jogo de soma zero, mas há muito espaço”, disse Alan Wolk, co-fundador da TVRev. “A maioria das pessoas se dedica a ter de dois a quatro serviços a qualquer momento, e a Netflix pode facilmente ser uma delas.”

Uma área que a Netflix pode enfrentar pressão está em seu catálogo licenciado de filmes e programas de TV. Espera-se que rivais como a Disney retirem a programação existente da Netflix, o que poderia tornar a Netflix menos essencial para os clientes ao longo do tempo. Relatórios do setor sugerem que a maioria da visualização da Netflix nos EUA está em tarifa licenciada.

Na direção (positiva) contrária, a Netflix conta com o fato de ter 148,9 milhões de assinantes e que as pessoas se acostumaram com o serviço de streaming sendo parte de sua dieta diária de mídia. Ou seja, as pessoas podem se inscrever em mais de um serviço de streaming, mas é bem provável que a Netflix ocupe um desses slots do que os serviços de streaming mais recentes que ainda precisam provar seu valor para os clientes.

Um problema mais complicado é o fato de que a empresa conseguiu que as pessoas se inscrevessem gastando bilhões de dólares todos os anos em conteúdo original e licenciado – e financiando boa parte disso, assumindo dívidas.

A Netflix gastou mais de US $ 13 bilhões em novas ofertas de conteúdo em 2018, de acordo com o balanço da empresa. Portanto, ainda que mostre lucro em seu balanço, a empresa tem que pedir dinheiro emprestado para financiar muitas de suas crescentes despesas com conteúdo. Isso ganha ainda mais importância à medida que a Netflix se concentra mais em suas séries originais, que a empresa reconheceu exigir mais pagamentos adiantados do que distribuir pagamentos de taxas de licenciamento ao longo de vários anos. (E lembre-se, na medida em que as rivais tiram a programação licenciada da Netflix, a empresa terá que gastar mais em originais para substituir parte desse catálogo perdido.)

A pergunta que fazem os executivos de cinema e TV, impressionados mas também frustrados pelos hábitos agressivos da empresa, é se a Netflix pode sustentar seus gastos.

Por enquanto, talvez. Os investidores continuam dispostos a bancar a estratégia da Netflix, porque o crescimento do número assinantes continua superando as estimativas. Os 9,6 milhões de assinantes que a Netflix adicionou no primeiro trimestre de 2019 foram um novo recorde para a empresa.

Mas quando a Netflix frustrar as estimativas dos investidores durante um trimestre – ou der indicações, como fez em seus lucros mais recentes, de que espera um crescimento dos assinantes menor em algumas áreas, o preço das ações da empresa pode ser afetado.

Outra questão é se a Netflix pode continuar aumentando os preços em mercados estabelecidos.

No início deste mês, a Netflix elevou os preços nos EUA em US$ 1 a US$ 2, dependendo do pacote de assinatura. A empresa também instituiu aumentos de preços no Canadá, em alguns países europeus, no Brasil e no México – os seus mercados mais maduros.

De muitas maneiras, isso era inevitável: a Netflix tem sido uma das ofertas mais valiosas em entretenimento, com clientes recebendo milhares de filmes e programas de TV por menos de US$ 10 a US$ 20 por mês. Compare isso com a TV por assinatura, onde os clientes podem pagar regularmente até US$ 100,00 ou mais por mês por centenas de canais, e percebe-se que a Netflix tem praticado um preço inferior ao seu valor real.

A partir de agora, porém, a Netflix deve começar a testar quanto mais os clientes estão dispostos a pagar por seu serviço, especialmente em mercados como os EUA, já saturado e onde o crescimento está desacelerando. Mais de 80% dos novos assinantes da Netflix vêm agora dos mercados internacionais.

A mudança é importante para a Netflix, já que a empresa pode usar ostensivamente novas receitas criadas por preços mais altos para financiar seu enorme orçamento de conteúdo. E, se a Netflix se tornou essencial para uma ampla faixa de clientes em seus mercados mais saturados, então, idealmente, eles deveriam estar dispostos a pagar um dólar extra ou dois por mês por um serviço que ainda tem um preço acessível.

Mas pode haver alguns problemas aqui, já que a Netflix citou seus aumentos de preços como uma grande razão pela qual espera adicionar apenas 5 milhões de assinantes no segundo trimestre – uma meta não bem recebida por Wall Street.

A situação é diferente internacionalmente, onde a Netflix ainda está crescendo substancialmente e testando níveis de preços mais baixos: na Índia, por exemplo, a Netflix está oferecendo assinaturas apenas para celulares por menos de US$ 4 por mês. O crescimento na Índia e em outros mercados internacionais será fundamental para a Netflix, o que poderia compensar a desaceleração ou o declínio do crescimento de assinantes nos EUA. Mas isso também virá com seus próprios custos e um conjunto diferente de concorrência. O serviço de streaming Hotstar na Índia, que agora é propriedade da Disney, tem mais de 300 milhões de usuários ativos mensais.

Por fim, alguns especialistas do setor argumentam que o futuro da Netflix não está em determinar quanto mais pode cobrar aos assinantes, mas se o serviço se torna ainda mais vulnerável pelo fato de ter um apenas fluxo principal de receita: assinaturas. Isso é diferente de seus maiores concorrentes, incluindo a Apple (dispositivos e outros serviços), a Amazon (vendendo tudo para você) e a Disney (que afinal se trata da Disney).

“A Netflix não tem um modelo de negócios como a Amazon ou a Disney, onde outras partes da empresa podem ajudar a subsidiar o serviço de assinatura”, disse Chris Erwin, co-fundador da empresa de entretenimento Doing Work As. “Isso pode ser uma razão para a Netflix investir mais profundamente em produtos de consumo e outras armas de monetização que suportem suas rotas operacionais de conteúdo – o que talvez possa permanecer amplo, mas não necessariamente significa tudo para todos.”

 

unnamedO gráfico ao lado mostra o crescimento dramático e apavorante da presença de plásticos no Atlântico Norte. Ele foi criado por Andrew Witherspoon para o site Axios.com a partir do gráfico original que está no relatório publicado no site da Nature. Os pesquisadores que fizeram o estudo são da The Marine Biological Association, The Laboratory, Citadel Hill, Plymouth, PL1 2PB, UK. O texto abaixo é uma tradução livre que fiz do texto que me chegou no newsletter da Axios. Continue lendo »

Resultado de imagem para vaccine cancerTreinados para matar

Imunoestimulantes são substâncias (drogas ou nutrientes) que estimulam o sistema imune, induzindo a ativação ou aumentando a atividade de qualquer um dos seus componentes. Ao injetá-las diretamente em tumores cancerígenos, pesquisadores do Mount Sinai Health System disseram haver modificado seus processos de crescimento e transformado-os em verdadeiras “fábricas de vacinas contra o câncer”, produzindo células imunológicas que matam o câncer. A  abordagem foi usada em um tipo de câncer e foi tão bem sucedida que já está sendo testada outros dois. Continue lendo »

Resultado de imagem para landmarkers ar game of thronesA HBO está usando a lente de realidade aumentada do Snapchat como uma maneira de aumentar o entusiasmo para a temporada final de “Game of Thrones”, oferecendo uma lente especial que revela um dragão que cobre de gelo o icônico New York City Flatiron Building. A experiência com o recursos Landmarkers AR do Snapchat também está sendo implementada em vários locais do mundo, incluindo o Palácio de Buckingham, a Torre Eiffel e o Capitólio dos EUA em Washington, D.C. Veja o vídeo na matéria do AdAge.

Resultado de imagem para deepfakeDeepfake é uma tecnologia que usa inteligência artificial para criar vídeos falsos, mas realistas, de pessoas fazendo coisas que elas nunca fizeram na vida real. No último mês de dezembro, usuários do Reddit deram início a uma bizarra, mas sofisticada “moda”: colocar rostos de celebridades no corpo de atrizes em cenas de filmes pornográficos. A “brincadeira” ganhou tanta força que serviços como o próprio Reddit, o Twitter e até o Pornhub, maior website de conteúdo pornográfico do mundo, anunciaram o banimento desse tipo de conteúdo. Continue lendo »

Resultado de imagem para unlikeEsta é a quarta e última parte do artigo escrito por Pius Boachie, um estrategista de mídias sociais da Nigéria, e publicado em JeffBullas.com, sobre erros do “Facebook marketing”. As outras partes podem ser lidas aqui, aqui e aqui. Continue lendo »

Imagem relacionadaZendrive está lançando o desafio #TextYouLater

Todo mês de abril, para comemorar o Distracted Driving Awareness Month, a Zendrive, organização que coleta e analisa dados de sensores de trânsito, compartilha insights do maior conjunto de dados sobre como as pessoas dirigem. Em seu terceiro Distracted Driving Study, foram analisados mais de 160 bilhões de milhas de dados de motoristas para descobrir uma nova categoria perigosa de motoristas distraídos: viciados em celular. Continue lendo »

A ascensão do Candida auris representa uma séria ameaça à saúde pública: germes resistentes a medicamentos.

Continue lendo »

Resultado de imagem para facebook marketingBem, chegamos à terceira parte do artigo escrito por Pius Boachie, um estrategista de mídias sociais da Nigéria, e publicado em JeffBullas.com, sobre erros do “Facebook marketing”. Na parte anterior, ele abordou problemas com objetivos, desconhecimento do público e conteúdos. Sigamos em frente. Continue lendo »

Resultado de imagem para facebook marketingEsta é a segunda parte do artigo escrito por Pius Boachie, um estrategista de mídias sociais da Nigéria, e publicado em JeffBullas.com. Na primeira parte, ele abordou a necessidade de não se focar exageradamente em vendas e não ignorar o feedback negativo. Sigamos em frente. Continue lendo »