Resultado de imagem para helping hand

É fácil ficar preso ao lado negativo das coisas, diz Robert Acosta, professor de uma escola elementar em Phoenix, Arizona, em artigo publicado no site Knowable. Uma rápida olhada nas mídias sociais faz você acreditar que toda a humanidade pulou na garganta um do outro, zangada com uma fila de supermercado ou porque perdeu a disputa por uma vaga no estacionamento. Mas isso não é o que ocorre todo dia, prova ele em seu artigo, quando nos convida a olhar o lado bom da humanidade. “É a melhor coisa para sua saúde mental”, enfatiza, lembrar que também somos capazes de grandes feitos. Continue lendo »

Os costumes sociais estão em rápida evolução. Se você tem alguma dúvida, dê uma olhada no novo estudo preparado pela Beano Studios, que constatou que 55% da Geração Alpha (abaixo de 10 anos) estão criando regularmente conteúdo de vídeo. 58% dos entrevistados também acreditam que gênero não é relevante. Continue lendo »

A yellowish moon in the night sky

Ora, os astronautas, claro.

Melhor dizendo, eles fizeram o número dois, barro, bozerra, frago, troçulho, como você quiser chamar, em fraldas descartáveis que foram, naturalmente, descartadas por lá. Continue lendo »

Resultado de imagem para pessoa olhando para smartphoneO artigo abaixo foi publicado originalmente no site ZeroHedge, uma comunidade onde as contribuições são publicadas sob pseudônimo. O autor assinou como Tyler Durden. Continue lendo »

Resultado de imagem para Pestalotiopsis microsporaO lixo plástico é um dos maiores problemas ambientais do nosso tempo. E não vai ser a proibição dos canudinhos plásticos a maneira como vamos resolvê-lo – a proibição, na verdade, pode complicar ainda mais a vida de pessoas com deficiências (leia este artigo para entender por que). Continue lendo »

Resultado de imagem para disruptive thinkingGrandes inovadores veem o mundo de maneira diferente. Eles olham além do óbvio e esperado e buscam novas soluções para os problemas.

Você pode se esforçar para ser mais criativo experimentando novas abordagens para os desafios. Continue lendo »

IMG_4071A Samsung havia anunciado que o lançamento do Galaxy Fold seria em 26 de abril. A data passou, assim como maio inteiro e mais da metade de junho, e nada do esperado produto. O refrão desde então é “nas próxima semanas”. Continue lendo »

Zach Tracer Healthcare 2Em outubro de 2018, a revista científica PLOS ONE divulgou um estudo realizado pela equipe do Laboratório de Psiquiatria Molecular do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Eles “ensinaram” o algoritmo comumente usado pelos serviços de email para identificar as mensagens que devem ficar na caixa de entrada e as que devem ir para a caixa de spam a analisar textos em busca de sinais de que o autor pretendia se matar. Continue lendo »

Escultura de distribuição das relíquias de Buda

O artigo abaixo foi escrito pela professora Adrienne Mayor, pesquisadora da Princeton University, especializada em história e filosofia da ciência, e publicada no site The Conversation. Tradução e adaptação sob licença da Creative Commons

Homero, há mais de 2.500 anos, já explorava a ideia de autômatos e dispositivos de movimentação automática. No terceiro século a.C., engenheiros da Alexandria helênica, no Egito, estavam construindo máquinas e robôs mecânicos reais. E tais ficções científicas e tecnologias históricas não eram exclusivas da cultura greco-romana.

Em um livro recente, explico que muitas sociedades antigas imaginavam e construíam autômatos. Crônicas chinesas falam de imperadores enganados por androides realistas e descrevem criados artificiais criados no século II pelo inventor feminino Huang Yueying.

Maravilhas tecnológicas, como carros de guerra voadores e seres animados, também aparecem nos épicos hindus. Uma das histórias mais intrigantes da Índia conta como onze robôs guardaram as relíquias de Buda. Por mais extravagante que possa parecer aos ouvidos modernos, essa história tem uma forte base nas ligações entre a Grécia antiga e a antiga Índia.

A história teria ocorrido no tempo dos reis Ajatasatru e Asoka. Ajatasatru, que reinou de 492 a 460 a.C., foi reconhecido por comissionar novas invenções militares, como catapultas poderosas e uma carruagem de guerra mecanizada com lâminas giratórias. Quando Buda morreu, Ajatasatru foi encarregado de defender seus preciosos restos. O rei os escondeu em uma câmara subterrânea perto de sua capital, Pataliputta (atual Patna), no nordeste da Índia.

Tradicionalmente, estátuas de guerreiros gigantes estavam de guarda perto de tesouros. Mas na lenda, os guardas de Ajatasatru eram mais que isso: eram robôs. Na índia, os autômatos ou seres mecânicos que podiam se mover sozinhos eram chamados de “bhuta vahana yanta” ou “máquinas do espírito do movimento” em páli e sânscrito. De acordo com a história, foi predito que os robôs de Ajatasatru permaneceriam de plantão até que um futuro rei pudesse distribuir as relíquias de Buda por todo o reino.

Textos hindus e budistas descrevem os guerreiros autômatos girando como o vento, cortando intrusos com espadas, lembrando as carruagens de guerra de Ajatasatru com lâminas giratórias. Em algumas versões, os robôs são movidos por uma roda d’água ou feitos por Visvakarman, o deus engenheiro hindu. Mas a versão mais impressionante veio das chamadas traduções “Lokapannatti” da Birmânia — traduções em páli de textos sânscritos perdidos, mais antigos, conhecidos apenas de traduções chinesas, cada uma baseada em tradições orais anteriores.

Nesse conto, muitos “yantakara”, fabricantes de robôs, viviam na terra ocidental dos “Yavanas”, falantes de grego, em “Roma-visaya”, o nome indiano da cultura greco-romana do mundo mediterrâneo. A tecnologia secreta de robôs dos Yavanas estava bem guardada. Os robôs de Roma-visaya realizavam comércio e agricultura e capturavam e executavam criminosos.

Os fabricantes de robôs foram proibidos de sair ou revelar seus segredos – se o fizessem, os assassinos robóticos os perseguiam e matavam. Rumores dos robôs fabulosos chegaram à Índia, inspirando um jovem artesão de Pataliputta, a capital de Ajatasatru, que desejava aprender a fazer autômatos.

Na lenda, o jovem de Pataliputta encontra-se reencarnado no coração de Roma-visaya. Ele se casa com a filha do mestre robô e aprende seu ofício. Um dia ele rouba planos de fazer robôs e cria um plano para levá-los de volta à Índia.

Certo de ser morto por robôs assassinos antes que ele pudesse fazer a viagem sozinho, ele abre suas coxas, insere os desenhos sob sua pele e costura de volta. Então ele diz a seu filho para se certificar de que seu corpo voltasse para Pataliputta. Ele é apanhado e morto, mas o filho recupera seu corpo e o leva para Pataliputta.

Uma vez de volta à Índia, o filho tira os planos do corpo de seu pai e segue suas instruções para construir os soldados automatizados do rei Ajatasatru para proteger as relíquias de Buda na câmara subterrânea. Bem escondidos e habilmente guardados, as relíquias e robôs caíram na obscuridade.

Dois séculos depois de Ajatasatru, Asoka governou o poderoso Império Maurya em Pataliputta, 273-232 a.C. Asoka construiu muitas stupas para consagrar as relíquias de Buda. Segundo a lenda, Asoka ouvira a lenda das relíquias ocultas e procurou até descobrir a câmara subterrânea guardada pelos ferozes guerreiros andróides.

Batalhas violentas se alastraram entre Asoka e os robôs. Em uma versão, o deus Visvakarman ajudou Asoka a derrotá-los atirando flechas nos parafusos que seguravam as construções de fiação juntas; em outro conto, um antigo engenheiro explica como desabilitar e controlar os robôs. De qualquer forma, Asoka acabou comandando o exército de autômatos.

Esta lenda é simplesmente fantasia? Ou será que o conto se uniu em torno das primeiras trocas culturais entre o Oriente e o Ocidente? A história conecta claramente os seres mecânicos que defendem as relíquias de Buda a autômatos de Roma-visaya, o Ocidente de influência grega. Quão antigo é o conto? A maioria dos estudiosos supõe que surgiu nos tempos islâmicos e europeus medievais.

Mas acho que a história poderia ser muito mais antiga. O cenário histórico aponta para o intercâmbio tecnológico entre as culturas Mauryan e helenística. O contato entre a Índia e a Grécia começou no século V a.C., época em que os engenheiros da Ajatasatru criaram novas máquinas de guerra. O intercâmbio cultural greco-budista se intensificou após as campanhas de Alexandre, o Grande, no norte da Índia.

Inscrições em grego e aramaico em monumento originalmente erigido pelo Rei Asoka no atual Afeganistão

Em 300 aC, dois embaixadores gregos, Megasthenes e Deimachus, residiam em Pâtaliputta, que tinha uma arte e arquitetura influenciadas pelos gregos, e foi a casa do artesão lendário que obteve os planos dos robôs em Roma-visaya. Os grandes pilares erguidos por Asoka têm inscrições em grego antigo e nomeiam reis helenísticos, demonstrando a relação de Asoka com o Ocidente. Historiadores sabem Asoka se correspondia com os governantes helenistas,  inclusive Ptolomeu II Philadelphus,  de Alexandria, cuja procissão espetacular em 279 a.C. teria exibido estátuas animadas complexas e dispositivos automatizados.

Historiadores relatam que Asoka enviou representantes a Alexandria e Ptolomeu II enviou embaixadores a Asoka em Pataliputta. Era costume os diplomas apresentarem presentes esplêndidos para mostrar realizações culturais. Eles trouxeram planos ou modelos em miniatura de autômatos e outros dispositivos mecânicos?

Não posso esperar encontrar a data original da lenda, mas é plausível que a ideia de robôs guardando as relíquias de Buda une as proezas reais e imaginárias de engenharia do tempo de Ajatasatru e Asoka. Esta lenda marcante é a prova de que os conceitos de automação predial eram difundidos na antiguidade e revelam o vínculo universal e intemporal entre imaginação e ciência.

Resultado de imagem para youtube stormEsta semana, o YouTube conseguiu a façanha de enfurecer todo o espectro político com sua política de tratamento das controvérsias sobre assédio, extremismo e exploração.

E isso talvez seja só o início da terrível tempestade que se forma no horizonte. Continue lendo »