MM Online:

O Google anunciou seus novos aplicativos para pesquisa por voz e navegação por GPS para smartphones em português. O intuito da companhia é oferecer cada vez mais  tecnologias que possibilitem experiências de conexão semelhantes as existentes no desktop para os usuários dos dispositivos móveis.

A busca por voz está presente há dois anos nos Estados Unidos e representa 25% das pesquisas no Android, de acordo com o Google. O Brasil é o primeiro país latino amercano a receber o serviço, disponível para usuários com Android a partir de 2.1, e para Iphones. O aplicativo, que converte a voz em texto, permite ainda a conversão de moedas, procura de notícias e localizar bares e restaurantes próximos ao usuário. O sistema chega ao Brasil com 100 mil tokens – palavras e/ou expressões mais empregadas no País. O aplicativo está disponível no Android Market e na loja de aplicativos da Apple.

O Google apresentou também o serviço navegação por GPS, disponível apenas para os usuários do Android. O sistema utiliza o GPS do celular para calcular rotas, com instruções sonoras indicando o caminho. O usuário com smartphone que rode a partir do Android 1.6 poderá falar o destino para o telefone, recebendo assim a rota detalhada do seu trajeto. Como a plataforma utiliza o Google Maps como base, as informações estarão sempre atualizadas, sem a necessidade de baixar versões regularmente. O serviço pode ser adquirido gratuitamente no Android Market.

Adnews:

O iPad deve desembarcar mesmo em breve no Brasil. Em entrevista concedida ao jornal O Globo, Luca Luciani, presidente da TIM, disse que a operadora lançará o tablet na segunda metade de novembro e com preço inferior a R$ 2 mil.

De acordo com o executivo, o iPad chegará com plano que pode ser “parcelado em até 12 vezes”. Nos EUA, onde o aparelho já existe há seis meses, a versão 3G é vendida a preços entre US$ 629 e US$ 829, de acordo com a capacidade de armazenamento (16GB, 32GB ou 64GB). A Anatel – Agência Nacional de Telecomunicações – inclusive já liberou na venda do aparelho no Brasil.

Mas o lançamento do iPad não será a única novidade. Além do gadget da Apple, o executivo da TIM informou que a empresa disponibilizará ainda os rivais criados por Motorola e ZTE e o Galaxy Tab, da Samsung, que deve chegar ao Brasil em 15 de novembro.

Segundo o Macworld Brasil, em nota assinada por Luiz Mazetto, a assessoria da TIM não confirmou o lançamento do iPad, mas, sim apenas o Galaxy Tab, da Samsung: “a empresa está em negociação com os demais fabricantes para comercialização de outros tablets, mas não informa detalhes de lançamentos futuros.”

Por sua vez, a Apple manteve o suspense e disse que não há previsão de lançar o aparelho no Brasil.

 

O Facebook Places foi lançado há cerca de dois meses, mas já se tornou uma excelente oportunidade de negócios graças ao fato de se integrar firmemente com toda a “Facebook experience”.

Um dos primeiros a utilizarem o produto foi o Westfield Valley Fair, um shopping center de Santa Clara, California. Quem faz o “checkin” na página do shopping tem direito a resgatar um cupom de desconto (o aplicativo foi desenvolvido pela Fan Appz). Não é diferente do que outras empresas estão fazendo com a Foursquare, mas é eficiente em fazer os fãs do Facebook em compradores offline.

O fornecedor de softwares para mídias sociais Context Optional está pensando em maneiras de explorar o crescente interesse das marcas em utilizar o produto de geolocalização do Facebook. Segundo Kevin Barenblat, CEO da empresa, “os profissionais de marketing têm dificuldades para fazer com que marcas globais funcionem localmente. Algumas marcas deram o pontapé inicial no Foursquare, no Loopt e em outros serviços de localização e, agora, estão percebendo que o Facebook — com sua população de mais de 500 milhões — oferece uma oportunidade valiosíssima com o seu Places”.

Para atender a demanda, a empresa de CRM social lançou o aplicativo Facebook Places Check-in Leaderboard. O aplicativo foi desenhado para ajudar as marcas a criarem seus próprios sistemas de ranking personalizado para suas páginas no Facebook Place. Dessa forma, uma marca poderá recompensar os fãs mais ativos com ofertas e descontos especiais.

 

Marcas inovadoras e agências de publicidade estão adaptando seus ciclos de lançamento de produtos e suas campanhas de marketing, levando em conta a oportunidade que representa essa plataforma do Facebook.

Grandes nomes como Ford e Nike estão até lançando primeiro no Facebook. No caso da Nike, a empresa estreou o seus comercial de três minutos da Copa do Mundo na sua página do FB antes de qualquer outro lugar. O anúncio quebrou recordes entre os virais.

A Ford foi ainda mais longe: lançou um novo modelo, o 2011 Ford Explorer, pela web, deixando para lá as feiras de automóveis e fazendo do Facebook o centro da estratégia de lançamento.

A campanha foi mais bem sucedida do que se esperava. No dia da revelação, a Ford foi para o topo entre os “trend topics” do Twitter, o Explorer tornou-se o segundo termo mais buscado no Google, o vídeo no YouTube gerou 11,000 views, a página do carro no FB recebeu mais de 50,000 “Likes” e, talvez o melhor de tudo, 25.000 compradores em potencial montaram seus carros no website da empresa.

Isso está acontecendo também com a Ford Brasileira, que usou o Facebook como plataforma de lançamento do novo Fiesta – confira em http://www.facebook.com/newfiestastories.

Outras marcas, incluindo Vitamin Water e Papa John’s têm usado os fãs do Facebook no processo de criação de novos produtos.

A Vitamin Water criou o “flavor creator lab” (laboratório criador de sabor) e convidou os usuários do Facebook a criarem um novo sabor e uma nova embalagem para o próximo lançamento da empresa. Sarah, uma participante do Facebook que mora em Illinois, ganhou o prêmio de 5 mil dólares por ajudar a trazer à vida o Vitamin Water Connect .

Já a Papa John’s usou o Facebook para hospedar o seu Specialty Pizza Challenge. Os fãs eram estimulados a bolar a receita do próxima pizza, usando um aplicativo criado para esse fim. Entre as mais de 12 mil receitas enviadas, foram escolhidas três — feitas por Blair Dial, Barbara Hyman e Kendra Chapman — cujas pizzas foram incluídas no menu da Papa John’s durante o mês de agosto.

A VEVO também está explorando as oportunidades do Facebook-exclusive. O service lançou recentemente uma série pela web, chamada “ASK:REPLY,” desenhada para conectar os fãs do Facebook a grandes nomes artísticos. A empresa usa sua página no Facebook para perguntar aos fãs o que eles querem sobre sobre determinado artista. Os fãs contam e a VEVO posta vídeos dos artistas com as respostas.

 

O MM Online destacou ontem que a Abril anunciou  sua entrada no segmento de compras coletivas, modelo que vem ganhando destaque na internet nacional nos últimos meses. Em parceria com o já estabelecido ClickOn, o novo Bananarama é uma das grandes apostas da editora para incrementar suas operações de comércio eletrônico no Brasil.

Segundo Tié Lima, gerente executivo da Abril e responsável pelas iniciativas de e-commerce do Grupo, a perspectiva é conquistar um milhão de usuários no primeiro semestre de atuação, período em que já deverá estar presente em 15 cidades. Nesse primeiro momento apenas Rio de Janeiro e São Paulo possuem o serviço disponível. “Serão criados selos de referência para os estabelecimentos que vendem seus produtos pelo Bananarama para que os descontos sejam de fato proveitosos para os consumidores”, acrescenta.

Leia matéria completa aqui

O site Mashable publica a Facebook Marketing Series, analisando as ações que as empresas estão fazendo na principal rede de relacionamentos do mundo. Em um desses artigos, publicado há menos de um mês, a editora contribuinte Jennifer Grove falou sobre 5 tendências que estão emergindo no Facebook: Exclusives, Places Experimentation, Commerce, Customer Support e Giving.

Vamos publicar uma por uma, começando agora pela introdução do artigo.

O Campo dos Sonhos pode ter popularizado a noção de que “se você construir, eles virão”, mas na atual geração Facebook as marcas estão começando a ir onde o povo está em vez de confiar em que ele venha até elas. Com 500 milhões de participantes, o FB representa acesso em tempo real ao fluxo online que interessa.

Há anos as marcas usam suas Páginas no Facebook para se conectarem com consumiodores. À medida em que o FB cresce estimula a criatividade das marcas e, recentemente, temos visto uma profusão de campanhas que inspiram o Facebook Giving, incorporam o Facebook Places e transformam o Facebook em uma parte proeminente da apresentação do produto. Desenvolvedores de aplicativos também estão construindo ferramentas que tantos as pequenas como as grandes marcas podem usar para vender seus produtos e oferecer atendimento ao consumidor desenhado para o FB.”

No próximo post, vamos falar dos Facebook Exclusives.

 

Adnews:

Ouvir óperas durante as viagens de avião foi o motivo que deu vida ao Walkman, símbolo de entretenimento de uma geração. O aparelho, cuja história ultrapassa 30 anos, deixará de ser fabricado.

De acordo com informações do blog The Presurfer, o último lote do produto foi produzido pela Sony em abril e quando esgotarem as últimas unidades, no Japão, não será mais possível encontrar o modelo.

O aparelho foi construído em 1978 pela divisão de áudio do engenheiro Nobutoshi Kihara para o co-presidente da Sony, Akio Morita, O Walkman original foi comercializado em 1979 no Japão e apenas depois se popularizou.

Aos passos da tecnologia

O reprodutor de músicas, que já foi considerado “um dos maiores símbolos de status” pelo jornal The Wall Street Journal, perdeu espaço com as inovações da tecnologia.

O primeiro modelo, vendido a US$ 200, teve uma recepção calorosa por parte dos amantes da música. O aparelho tinha recursos como entrada dupla para fones de ouvido e botão que diminuía o volume do som para permitir que o usuário conversasse com alguém sem parar a música.

A evolução do produto beneficiou, em seu modelo seguinte, os jornalistas que precisavam gravar áudio. Nos anos posteriores, a tecnologia levou aos usuários modelos com novas cores e aparelhos que rodavam CDs.

Nos anos 80 e 90, a Sony reinou no mercado. Entretanto, o cenário começou a mudar com a era digital, quando os usuários passaram a baixar músicas da internet ou copiar CDs no formato MP3. A chegada do iPod, em 2001, marcou a história e tirou o posto da marca mais conhecida em termos de áudio portátil.

 

No próximo mês, o Citibank começará a testar o Card 2.0, uma nova ferramenta para cartões de crédito e débito que cria links entre contas múltiplas.

Esses cartões futurísticos roubaram o show durante a “DEMO startup conference” no mês passado no Vale do Silício. Os cartões têm botões e displays gráficos mas são tão finos e flexíveis quanto um cartão normal.

Os cartões serão chamados 2G, “segunda geração”, e cada um conterá um chip e uma bacteria com cerca de 4 anos de vida.A versão do Citi permitirá aos usuários selecionamento entre dois botões no momento da aquisição. Um deles permitirá que o cliente pague com pontos/milhas; o outro deixará que paguem com crédito

Veja o vídeo:

 

De acordo com o comScore Data Mine, em notícia publicada no começo de outubro, o Orkut no Brasil continua a crescer – 30% entre agosto de 2009 e agosto de 2010 – e ainda é a rede social mais visitada – teve mais de 29 milhões de visitantes em agosto de 2010. No mesmo período, entretanto, o tráfego do Facebook conheceu um aumento realmente espetacular – 479%! – e praticamente empatou com o número de visitantes do Twitter – 8,9 milhões. E olhem que este último não ficou exatamente estagnado – cresceu 86% no período.

Saindo fresquinho do blog TechCrunch:

Quando o prefeito Bloomberg quer anunciar alguma coisa em conjunto com a Microsoft, o CEO Steve Ballmer pega um avião e voa para Nova York. Afinal, trata-se do prefeito Bloomberg. Mas não é só por isso. Acontece que a City, como dizem os novaiorquinos, é um graaande cliente da MS, com seus 100 mil funcionários. Hoje, Ballmer e Bloomberg irão ao City Hall anunciar um novo acordo de cinco anos que reúne em um só contrato master dezenas de contratos separados e está projetado para economizar para a cidade cerca de 50 milhões de dólares. O valor do acordo é de 100 milhões de dólares, ou seja, 20 milhões por ano.

A economia virá da consolidação dos diferentes contratos, mas também porque levará algumas das necessidades de software da cidade diretamente para a nuvem. A primeira fase do acordo impactará 30 mil funcionários da cidade e incluirá Microsoft Windows 7, Office, Sharepoint, Exchange, Live Meetings, Azure, Windows Server, ferramentas de desenvolvimento e produtos de bancos de dados. (Quando o Office 365 estiver disponível será incluído também no contrato.)

Os funcionários públicos de Nova York serão divididos em usuários ocasionais, usuários básicos e usuários “power”. A cidade emprega muitos funcionários que não ficam nos escritórios. Dar-lhes acesso ao Office, a email e a ferramentas de colaboração na nuvem faz bem mais sentido do que disponibilizar versões do Office para desktops. Os usuários “power”, por outro lado, precisarão tanto das versões desktop como das versão da nuvem. Pelo acordo, quanto mais softwares forem hospedados nos servidores da própria Micrsoft mais a Nova York economizará em hardware e custos de TI.