A Apple sobreviverá sem Jobs? Larry Ellison acha que não

Larry EllisonO CEO da Oracle, Larry Ellison em uma entrevista na CBS ontem (12), elogiou Steve Jobs, o co-fundador da Apple, chamando-o de “nosso Edison”, e argumentou que, sem ele, a Apple iria perder seu status como líder em tecnologia.  “Ele era brilhante”, disse Ellison sobre Jobs, que morreu em 5 de outubro de 2011, depois de uma [longa batalha contra o câncer no pâncreas. “Era nosso [Thomas] Edison, nosso [Pablo] Picasso, era um inventor incrível”. E quando perguntado sobre o que vai acontecer com a Apple sem Steve, Ellison deixou claro que não acha que a empresa de Cupertino, California, será a mesma sem seu grande guia. “Bem, nós já sabemos”, disse Ellison. “Nós vimos a  Apple com Steve Jobs”, disse Ellison, reforçando com um gesto para cima da mão. “E vimos a Apple sem Steve Jobs”, continuou ele, movendo a mão para baixo, referindo-se à saída dele em 1985. Continue lendo em A Zona de Desconforto

Novo catálogo da Ikea leva Realidade Aumentada a novas dimensões Continue lendo »

Shodan, o buscador que googla onde o Google não

''There is no way these systems should be exposed'' ... John Matherly, who at 19 started working on Shodan, which allows one to find any device that is connected to the internet.A Internet é tão grande, tão grande, que nem mesmo o Google consegue vasculhá-la toda. Na verdade, acredita-se que o buscador, ainda que gigante, varra menos de 50% da rede. Ou seja, o fato de você não achar alguma coisa no Google, ou em outros buscadores, não significa que ela não esteja lá, ou que não possa ser encontrada. Mas já há uma ferramenta de buscas, por exemplo, que é capaz de encontrar servidores, impressoras, roteadores, câmeras e qualquer equipamento conectado à internet. Chama-se Shodan e foi criado por John Matherly, 28. Continue lendo em A Zona de Desconforto

Google proíbe publicidade no Glass Continue lendo »

A Apple não é mais uma brastemp?

Tim Cook conseguirá manter viva a mística criada por Steve Jobs?

Tim Cook conseguirá manter viva a mística criada por Steve Jobs?

A bem da verdade, nem mesmo a Brastemp é uma brastemp. Já de algum tempo, a marca perdeu aquele glamour. Assim como a Sony. Para quem atravessou o último quarto do século passado como adulto é quase chocante pensar no que eram essas marcas e no que se transformaram, ou caminham aceleradamente para se tornar. Irrelevantes. Será que o mesmo vai ocorrer com a Apple? Continue lendo em A Zona de Desconforto

INFOGRÁFICO: uso de dados analíticos para a criação de mensagens Continue lendo »

Exame.com:

Nesta semana, Tim Cook pisou na China pela primeira vez como CEO da Apple. Essa não foi, contudo, a estreia do executivo no país – em junho de 2010, Cook visitara as instalações da Foxconn em Shenzhen depois do fatídico suicídio de mais de uma dezena de funcionários na principal fornecedora de componentes da Apple. Continue lendo »

Os assuntos que se destacaram na web em 2011 A MITI Inteligência avaliou os temas de maior relevância na web em 2011 com base em estudos e análises produzidos a partir de métricas de repercussão e comportamento. No relatório, os temas foram divididos em cinco principais grupos:  Indústria e Varejo (e o destaque aqui foi a denúncia de trabalho escravo), Tecnologia (morte de Steve Jobs, claro), Economia (Black Friday e Belo Monte), Política (com as mulheres em primeiro lugar) e Comportamento (o Casamento Real, claro). Leia a matéria completa.

10 itens explicam o que os consumidores querem Uma vez conectados, a internet é uma das últimas coisas de que os consumidores estariam dispostos a desistir se tivessem de reduzir gastos, de acordo com as descobertas do ConsumerLab. Leia a matéria completa.

Brasil já seria o 4º País no Facebook Segundo cálculos de um analista da ZenipthOptimedia, rede social teria encerrado o ano com 35 milhões de brasileiros inscritos. Leia a matéria completa.

Fontes: ProXXIma, Adnews e Meio&Mensagem

O que não nos afeta não existe. Em geral, isso é verdade. E é uma pena que seja assim. Compaixão é certamente o sentimento que poderia redimir o mundo. Um mundo compassivo seria um mundo mais feliz, sem dúvida.

O que nos afeta afeta tudo. Principalmente nossa visão do mundo. De repente, como ocorre comigo agora, a perda de uma pessoa querida e importante (no meu caso, a minha mãe — saio daqui a pouco para o féretro) empresta uma nova luz a toda a realidade.  Continue lendo »

Os investidores parecem pensar assim. Logo em seguida ao anúncio de que o legendário comandante da maçã renunciou e passou o bastão (ou seria a espada laser? Ver o vídeo abaixo) para Tim Cook, as ações da empresa caíram 7%. Eles certamente lembram dos 10 anos em que Jobs esteve longe de sua criação e a empresa perdeu totalmente o rumo. Continue lendo »

Vai se chamar iSteve: The Book of Jobs, e está sendo escrita pelo famoso biógrafo Walter Isaacson, que foi CEO da CNN e editor da Time. É a quarta biografia escrita por Isaacson, que lançou anteriormente Kissinger: A Biography, Benjamin Franklin: An American LifeEinstein: His Life and Universe. Muito pouco se sabe sobre o conteúdo do livro, mas o fato é que Isaacson  conseguiu obter um acesso sem precedentes à Apple, ao Jobs e até a sua família. A editora é a Simon & Schuster.

Fonte: mashable.com

Ontem comentamos a notícia do New York Times sobre o investimento de US$ 500 milhões que o Goldman Sachs e o grupo russo de Internet Digital Sky Technologies fizeram no Facebook e que elevou o valor de mercado da rede de relacionamentos para 50 bilhões de dólares.

Pois bem, ontem mesmo saíram outras notícias que colocam em perspectiva esse valor. Ele representa um sexto do valor de outra empresa de tecnologia, a Apple. Ontem, com a valorização de 2% de suas ações, a empresa do Steve Jobs passou a valer a bagatela de 300 bilhões de dólares!

Fonte: Techcrunch

Vamos confessar: somos fãs do Google. Por gigante que seja, e o gigantismo tem, sim, seus problemas (ou melhor, nossos problemas), o fato é que o colosso de Mountain View continua a surpreender. Dessa vez, duplamente. Primeiro com o lançamento de um aperfeiçoamento na busca, que mostra os resultados à medida em que você digita. Como eles dizem, “search at the speed of thought”. Publicitês, claro. Mas que é legal é. Confira aqui.

Mas o melhor veio ontem, com o lançamento do comercial do produto. É o vídeo abaixo. Ele mistura cenas do clipe ‘Subterranean Homesick Blues’, de Bob Dylan, com imagens do Google Instant. Ficou genial, sinceramente. E ainda tem o bônus de cutucar o Steve Jobs – Bob Dylan é um fã confesso do CEO da Apple.