Vem aí mais um capítulo da novela Facebook vs privacidade dos usuários. De acordo com o site TechCrunch, todo usuário da rede de Mr. Zuckerbert está ou em breve estará vendo no topo do seu mural a mensagem “Fique no controle de sua conta, seguindo essas dicas”. O link leva para a página abaixo, cujo é do tipo “compre-me se não me conheces”: “Segurança no Facebook”. Na página, os usuários são orientados sobre como identificar fraudes (“scams”), criar senhas fortes e, o mais interessante de tudo, a confirmar o número do seu celular “para recuperação da conta”.

De acordo com uma reportagem da CNN, já há algum tempo, o Facebook teria o desejo de obter o número de telefone dos usuários, mas ainda não sabia como solicitá-lo.

Analistas de segurança manifestaram preocupação com a iniciativa. “Esses números podem ser enviados pelo Facebook a uma lista de desenvolvedores de aplicativos, que, por sua vez, podem dar um jeito de conseguir informações úteis para publicidade direcionada e até para spam”, disse à rede americana o analista de segurança digital Chester Wisniewski.

E você, confiará que seu número de telefone estará em boas mãos, ao informá-lo ao Facebook?

A acusação é séria e feita por uma empresa californiana de segurança, a NSS Labs. Ela protestou contra o estudo feito pela Accuvant e divulgado esta semana. Segundo esse estudo, o Chrome seria mais seguro que seus rivais Internet Explorer e, principalmente, Firefox, que teria ficado para trás “por não contar com a ferramenta de endurecimento JTT”.  Vikram Phatak, chefe de tecnologia da NSS Labs, classificou a pesquisa, patrocinada pelo Google, de tendenciosa, afirmando que algumas ferramentas de proteção do Firefox foram ignoradas, como o “frame poisoning” (envenenamento por quadro), que bloqueia invasões a partir de falhas de programação; que a frequência de updates não foi devidamente valorizada e que há problemas na análise dos recursos anti-malware. Leia a matéria que divulgou o resultado da pesquisa aqui e sua contestação aqui.

Adnews:

Empresa lança pendrive com leitor de impressão digital

A segurança de arquivos em pendrives não precisa mais ser uma preocupação. A Transcend, fabricante taiwanesa de módulos de memória e produtos multimídia, acaba de lançar, no Brasil, o pendrive Jet Flash 220, com tecnologia de reconhecimento por meio de impressão digital. Com ele, arquivos pessoais e profissionais podem ser armazenados sem o risco de serem acessados ou copiados sem permissão.

Com o equipamento, ao se tentar acessar arquivos protegidos, uma janela aparece automaticamente na tela do computador pedindo que o usuário se identifique por meio de impressão digital. Apenas digitais reconhecidas pelo sistema desbloqueiam o acesso aos dados que estão gravados no drive privado.

Ainda é possível ter livre acesso às informações, basta gravá-las no drive público. A capacidade de cada um dos drives pode ser ajustada pelo próprio usuário. O Jet Flash 220 está disponível nos modelos de 2GB, 4GB, 8GB e 16GB. Os valores dos pendrives vão de R$ 70,00 à R$ 380,00.