Um koan (公案; japonês: kōan, chinês: gōng-àn, coreano: gong’an, vietnamita: công án) é uma narrativa, diálogo, questão ou afirmação no Zen-Budismo que contém aspectos que são inacessíves à razão. O koan tem como objetivo propiciar a iluminação do aspirante a zen-budista. Um koan famoso é: “Batendo duas mãos uma na outra temos um som; qual é o som de uma mão?” (tradição oral, atribuida a Hakuin Ekaku, 1686-1769). Fonte: Wikipedia

Programa de fidelidade: ou é ganha-ganha ou é perde-perde

Não tem meio-termo: um programa de fidelidade precisa ser (e parecer) mutuamente benéfico para a empresa e para o consumidor. De outra forma, vai perdendo relevância, importância, sentido. Segundo um artigo recente, escrito por Paul Hebert para o blog Active Loyalty, “fidelidade é uma coisa engraçada. Pensamos que pode ser comprada. Pensamos que pode ser manipulada. Pensamos que é o que eles “querem”. Mas não é nenhuma dessas coisas. Fidelidade tem a ver com um relacionamento que é mutuamente benéfico.” Concordo inteiramente com o autor quando ele diz que, atualmente, esquecemos a parte do “mutuamente benéfico”.  Continue lendo »