Paula e Scott Broadwell, em foto do Observer.com

Vocês leram sobre o escândalo da renúncia do diretor da CIA que tinha um caso com a mulher, casada, dois filhos, que estava escrevendo sua biografia? O artigo abaixo, escrito por Jessica Testa e publicado no site BuzzFeed, fala sobre um email enviado para a coluna Ethicist, do New York Times, e cujos detalhes assemelham-se estranhamente ao caso Petraeus-Broadwell. O “projeto” de que fala o email seria a intervenção americana no Afeganistão. Leiam a tradução que fiz e tirem suas conclusões. 

Na sexta-feira, David Petraeus, o mais importante espião americano, renunciou ao cargo de diretor da CIA, depois que o FBI descobriu que ele estava tendo com, Paula Broadwell. Na mesma noite, o managing editor da Foreign Policy Editor Gerente Blake Hounshell tuitou — e foi retuitado e compartilhado por dezenas de outras pessoas — a coluna “Eticista”, do New York Times, que foi publicada em 13 de julho, na qual um leitor escreveu o seguinte: Continue lendo »

Até o ano passado, parecia não haver vida publicitária fora do Google. Seria uma questão de tempo, na opinião de alguns, para que tudo se resumisse à gigante de buscas. Bastaria uma boa campanha de adwords para que nossos problemas de comunicação de marketing terminassem. Mas a vida é mais complexa do que sonha nossa vão estratégia de SEO.

Por um lado, surgiu o Facebook, também querendo circunscrever a realidade. Do outro, vieram as próprias dores do crescimento do Google. Lorraine Twohill, vice-presidente de marketing global da empresa, resumiu o dilema: “À medida que crescemos, tivemos mais concorrência, mais produtos, mais mensagens para os consumidores, de modo que precisamos nos empenhar um pouco mais para comunicar o que são esses produtos e como você pode usá-los”.

Em outras palavras, o Google sentiu necessidade de usar outros canais, até os mais tradicionais, como campanhas de TV, para promover sua marca, sua história seus produtos. O Estadão publicou ontem, 8/1, um artigo do New York Times, que conta em detalhes o que o Google está fazendo na mídia tradicional. Vale a pena conferir.

Google invade a mídia tradicional

Fonte: http://www.advivo.com.br

Quem não enviou um email errado levante a mão. É, parece que a experiência de enviar emails para o destinatário errado não é, afinal, tão incomum. Mesmo quando se trata de uma das maiores empresas de comunicação do mundo. E foi o que aconteceu com o New York Times. O marketing do jornal preparou uma promoção agressiva de recuperação de ex-assinantes, 50% de desconto, mas escolheu com cuidado os destinatários, apenas cerca de 300 pessoas que haviam cancelado recentemente suas assinaturas. Tudo certo até que, na hora do envio, alguém apertou o botão errado e lá se foi a mensagem para 8,6 milhões de endereços que estavam na base do jornal. Continue lendo »