Começou ontem e vai se estender até a quinta, em Barcelona, Espanha, o Mobile World Congress. Este ano, o encontro bateu recorde de expositores (o que não é de estranhar, na medida em que está previsto que haverá mais de 10 bilhões de aparelhos móveis conectados até 2016 – fonte: Cisco, fevereiro/2012) .

Praticamente, toda a indústria está presente e apresentando novidades empolgantes. Desde coisas visíveis, como o celular da Nokia que traz uma câmera de 42 megapixels a inovações em NFC (Near Field Communication), M2M (comunicação máquina a máquina) e LTE (Long Term Evolution, o novo padrão de redes de comunicação móvel que vai permitir velocidades de até 100(109)Mb/s de downlink e 50Mb/s de uplink ). Eis algumas coisas que vocês devem ficar de olho.

A Gemalto exibirá uma grande variedade de inovações nos campos de NFC, M2M e LTE. Entre as inovações pioneiras, destacam-se as soluções móveis seguras da Gemalto que abrangem serviços financeiros, pagamento com NFC e pagamentos no celular. Acesse o laboratório de demonstrações ao vivo de serviços financeiros móveis para saber mais. A Gemalto também apresenta uma solução inovadora de personalização remota máquina a máquina que irá possibilitar a implantação de M2M em larga escala. E também para implementar campanhas de Gerenciamento de Relações com Clientes altamente eficientes, baseadas em permissão, para melhores taxas de resposta com direcionamento.

Smartphones quad-core, massificação de terminais Android e lançamentos do Ice Cream Sandwich, além do já citado celular com uma câmara de 41 megapixéis e tecnologia que permite submergir os terminais sem os danificar estão já entre as apresentações mais prometedoras, mesmo que nem todas cheguem às mãos dos consumidores nos próximos meses. Confira aqui .

Você conhece o conceito de M2M, “machine-to-machine”? Tecnicamente, o termo refere-se a tecnologias que permitem aos equipamentos comunicar-se entre si. O M2M usa um equipamento (um sensor, ou um medidor, por exemplo) para capturar um evento (a temperatura, o nível de um estoque, etc.) que é retransmitido através de uma rede (com ou sem fio, ou híbrida) para um aplicativo (um software) que traduz o evento capturado em informação acionável (por exemplo, itens que precisam ser repostos no estoque). Isso é realizado através do uso de telemetria, a linguagem que as máquinas usam quando se comunicam com as outras. Continue lendo »