Larry-page-prism

Larry Page, CEO do Google, em coletiva na qual negou envolvimento da rede com o PRISM

A não ser que você tenha viajado para Marte, deve ter lido sobre a matéria do Washington Post, revelando que o FBI e a Agência de Segurança Nacional norte-americana mantêm desde 2007 um programa para monitorar as ações de usuários nos principais serviços da internet: Google, AOL, Facebook, Skype, Yahoo, Microsoft, Dropbox e por aí vai… Continue lendo »

Larry Page, CEO do Google, contou à PC World que a empresa está disposta a inaugurar uma nova geração de tablets baratos. Analisando o sucesso do Kindle Fire, da Amazon, eles chegaram à conclusão de que há mais espaço no mercado para aparelhos mais em conta do que para postulantes a novo iPad. A declaração do CEO reforça o rumor de que o Google está se esforçando para lançar seu tablet em alguns meses e por um valor que não ultrapasse os 200 dólares. Ele também teria sete polegadas, contaria com Android 4.0 e processador de quatro núcleos, mas só se conectaria à rede Wi-fi. Leia a matéria completa no IDG Now.

A Amazon cravou uma data para começar sua operação de comércio eletrônico no Brasil: 1º de setembro… Enquanto procura um centro de distribuição no estado de São Paulo, a varejista americana faz planos para sua primeira fase de vendas no país. Por aqui, apenas objetos de pequeno porte estarão ao alcance dos internautas como aparelhos Kindle, CDs, DVDs, livros, vídeo-games e softwares. De setembro a dezembro deste ano, a previsão é vender aos brasileiros 1,1 milhão destes produtos. Em 2013, a estimativa é de chegar a 4,8 milhões de itens. Leia a matéria completa no Brasil Econômico.

Quem diria que a concorrência mais pesada ao iPad viria de uma livraria e não de um dos gigantes da eletroeletrônica? Mais uma vez está provado o axioma clintoniano: “é a economia, estúpido!” Continue lendo »

Para cada 100 livros impressos vendidos através do Kindle (não só o do aparelho, mas das versões do Kindle para outros dispositivos), são vendidos 105 livros eletrônicos. Sem contar os e-books gratuitos baixados pelos leitores. Você achava que seria tão rápido? Ou acha que demorou muito?

Pode não parecer novidade, afinal seis meses atrás foi publicada uma informação nessa direção, mas se tratava do que eles chamam de hard cover. Agora não, é oficial e se trata de um grande marco na indústria de publicações: na Amazon, os livros eletrônicos para Kindle estão vendendo mais do que os livros chamados paperback, ou seja, as edições mais baratas, em capa mole de papel.

A notícia foi publicada no relatório da Amazon referente aos ganhos do quarto trimestre de 2010 (outra notícia é que as vendas do final de ano foram tão boas que o resultado de vendas no ano foi 40% superior ao do ano anterior). Segundo o CEO Jeff Bezos, “em julho último nós anunciamos que [as vendas de] os livros para Kindle tinham ultrapassado os capas duras e previmos que ultrapassariam os capas moles no segundo trimestre deste ano, assim este marco chega até mais cedo do que o esperado – e é topo do crescimento continuado na venda de capas moles.”

A empresa acrescenta que em 2010 vendeu 115 livros para Kindle a cada 100 livros de capa model e “três vezes mais livros para Kindle do que de capa dura”. Esses números não incluem livros para Kindle grátis, o que torna os números ainda mais significativos. O crescimento em e-books, assim como as as well as fortes vendas do Kindle 3, ajudaram a  Amazon a atingir US$10 bilhões em um único trimestre pela primeira vez em sua história.

Fonte: Mashable.

Todo mundo tem o que comemorar neste final de ano. O site especializado Pocket Lint reuniu os principais produtos em alta neste ano para votação popular apontar os melhores gadgets em diferentes áreas. E nos resultados finais o Kindle foi considerado o melhor produto do ano.

Mas a Apple não pode reclamar. Seu iPad foi premiado como o melhor computador do ano, desbancando notebooks e desktops. E o iPod foi escolhido como melhor gadget de áudio.

Quanto à Microsoft, seu Kinect, foi considerado o produto mais inovador do ano.

Surpresa mesmo foi o iPhone 4 ter sido desbancado pelo HTC Desire HD como melhor smartphone.

Fonte: Info

Adnews:

Chegou à internet nesta segunda-feira o “Google Books”, anunciada como a maior livraria digital da internet, com mais de três milhões de livros disponíveis (Conheça). A informação é do G1.

“Acreditamos que essa será a maior biblioteca de livros eletrônicos do mundo”, disse o porta-voz da empresa Jeannie Hornung. “Incluindo os livros gratuitos, tem mais de três milhões de títulos disponíveis no novo serviço”.

O lançamento vai oferecer à companhia possibilidade de concorrência com a Amazon, dona do leitor digital Kindle, atualmente o dono do segmento de livros eletrônicos. O projeto foi lançado nos Estados Unidos com três meses de atraso e nasceu com um nome diferente do que era esperado – “Google Editions”.

Não é de hoje que o Google planeja a digitalização em massa de livros. Em março de 2009, o assunto já rondava as pauta de tecnologia e inclusive já era tema de polêmica com a Amazon. A dona do Kindle havia assumido posição contrária ao plano, afirmando que o projeto proposto viola leis de defesa da concorrência.

A Amazon sugeriu, então, que a Justiça deveria rejeitar o acordo fechado entre o Google e a Authors Guild porque o acerto previsto constitui uma prática de fixação de preços. No acordo fechado em 2005, o Google aceitou pagar 125 milhões de dólares para criar o Registro de Direitos de Livros, onde autores e editoras podem registrar trabalhos e receber compensação pelo uso de suas obras.

Os rivais do Google, Microsoft e Yahoo!, também se opuseram ao plano, enquanto a Associação de Bibliotecas da América e a Associação de Bibliotecas de Pesquisa pediram supervisão da Justiça.