Facebook pode lançar smartphone

A empresa taiwanesa HTC e o Facebook estariam trabalhando juntos num smartphone customizado com a rede social, segundo informações do site DigiTimes. O lançamento do novo modelo estaria programado para o terceiro trimestre desse ano. Leia a matéria completa no ProXXIma.

A nova Guerra Fria, agora na internet

Os Estados Unidos ganharam a Guerra Fria nuclear sem disparar um tiro, mas podem estar perdendo a versão cibernética do conflito pela supremacia mundial. E acredite quem quiser: a nova superpotência virtual  é a China, apontada pelos especialistas ocidentais em segurança cibernética como a maior incógnita contemporânea no que se refere a políticas de uso da internet. Leia o artigo completo, do Carlos Castilho, no Observatório da Imprensa.

The Next Web Conference chega ao Brasil em agosto Continue lendo »

A história fica ainda mais estranha quando você fica sabendo que os parceiros da Microsoft lançaram 10 celulares com Windows Phone 7 desde o lançamento da plataforma. Já o número de celulares com Android da Microsoft atingiu a fenomenal quantidade de… zero!

Então, como é que…? Calma, a gente conta.

Acontece que em abril de 2010 a Microsoft e a HTC se envolveram em uma pequena batalha legal sobre algumas patentes que a Microsoft alegava que a HTC estava infringindo em seus celulares com Android. A briga nunca evoluiu para uma ação formal, porque a HTC ofereceu um acordo: pagaria um fee de licença no valor, segundo Walter Pritchard, analista do Citi, de 5 dólares por aparelho.

Ao mesmo tempo, a Microsoft estava licenciando sua plataforma Windows Phone 7 para outros fabricantes a um custo que se acredita de 15 dólares por equipamento.

Da última vez que publicou números, a Microsoft disse haver vendido 2 milhões de licenças da Windows Phone 7. Dois milhões multiplicados por 15 dólares dá 30 milhões de dólares.

A HTC, enquanto isso, vendeu aproximadamente 30 milhões de celulares com Android. E 30 milhões multiplicados por US$5 dá 150 milhões de dólares!

Está aí. Sem fabricar um simples celular com Android, a Microsoft arrecadou cerca de 150 milhões de dólares com a plataforma. E isso só com o seu negócio com a HTC! É perfeitamente imaginável, porém, que ela tenha feito negócios similares com outros pesos pesados que estão usando Android (Samsung, LG…). Nesse caso…

Fonte: mobilecrunch.com

Todo mundo tem o que comemorar neste final de ano. O site especializado Pocket Lint reuniu os principais produtos em alta neste ano para votação popular apontar os melhores gadgets em diferentes áreas. E nos resultados finais o Kindle foi considerado o melhor produto do ano.

Mas a Apple não pode reclamar. Seu iPad foi premiado como o melhor computador do ano, desbancando notebooks e desktops. E o iPod foi escolhido como melhor gadget de áudio.

Quanto à Microsoft, seu Kinect, foi considerado o produto mais inovador do ano.

Surpresa mesmo foi o iPhone 4 ter sido desbancado pelo HTC Desire HD como melhor smartphone.

Fonte: Info

A Synaptics é uma empresa que desenvolver soluções de interfaces (por exemplo, touchpads e touchscreens) para marcas como Apple, Acer, Dell, HTC, HP, Nokia, Samsung, Sony, Toshiba e muitas outras. Seu conceito  “Fuse”  já seria notável pelo fato de  ela ter conseguido envolver tantas empresas no seu design: Alloy, TAT, Immersion e Texas Instruments.

A Alloy participou com sua área de design de produtos e desenvolveu a Interface do Usuário, junto a TAT. Esta outra empresa desenvolveu o ambiente 3D. A Immersion adicionou o feedback tátil. E a Texas Instruments… Bem, esta é outra diferença entre este conceito e os outros celulares futuristas que mostrei antes: a TI forneceu o processador OMAP 3630, que permitiu que fosse criado um protótipo real desse celular.

Mas isso não é tudo. Como você pode ver acima (no video, fica ainda mais claro), o Fuse foi desenvolvido para poder ser usado com apenas uma mão. Para isso, a sensibilidade do “multi-touch” foi expandida (o verso do telefone tem uma superfície , além de ganhar melhor feedback tátil (aquele zumbido leve), gráficos em 3D, sensores de proximidade e de “grip”, isto é, onde “se agarra” o telefone. Estes últimos controlam os movimentos de “pan” e de “scroll” do telefone.

Fonte: Mashable.com

 

Este design foi feito por Andrew Kim um estudante coreano de design de produtos que mora no Canadá. Não por coincidência, Kim trabalhou para a marca HTC.

Seu projeto, o HTC 1, implica em ordenar tanto o aparelho como os elementos para “criar um design harmonioso de hardware e software.”

O que ambos os elementos têm em comum é uma simplicidade fantástica, com um design suave e inteiriço, favorecido pela existência da “mono edition” do modelo Sense UI da HTC, que é bem minimalista.

O “fator uau!” do design do HTC 1 aparece na ideia simples mas brilhantes de aproveitar o fundo do aparelho quando ele não está em uso — vejam as imagens.

Os materiais do HTC 1 deverão ser premium (vidro, estanho trabalhando) e sua construção, soberba. “Como um relógio fino ou uma camera sofisticada”, conta Kim, “o 1 é feito para estar em suas mãos, não no lixo.”

Há mais uma característica no design desenvolvido pelo estudante de design coreano-canadense que vai atrair a atenção de maníacos por limpeza — uma luz ultravioleta funcionará durante a carga do aparelho, matando as bactérias que estiverem nele.

Outras informações no blog do Kim.