Facebook Stories chega para alguns usuários de Android em todo o mundo (Foto: Carolina Ochsendorf / TechTudo)Diferencial é que se poderá escolher onde publicar, no Stories ou no feed de notícias como um post tradicional
Leia o resto deste post »

Microrroteiros do Fim do Mundo: não vai ficar pedra sobre pedra

No começo do ano, eu juraria que o tema fim do mundo seria mais explorado. Felizmente não foi. E sobrou espaço para que aparecessem algumas ideias realmente boas. A mais recente é a Microrroteiros do Fim do Mundo, da artista multiplataforma Laura Guimarães. Trata-se, na verdade, de um desdobramento do projeto Microrroteiros da Cidade, que pretende brincar com a proximidade desta data “tão temida”, 21 de dezembro de 2012. Até o final do ano, a artista vai promover uma TROCA DE HISTÓRIAS nas ruas de São Paulo. Ela pretende convidar cerca de 60 pessoas de diferentes regiões da cidade para contarem uma história da sua vida que poderia ser a última. Daquelas tão marcantes, que “o mundo poderia acabar no dia seguinte”. Em troca, esses criadores vaão ganhar um “lambe-lambe” com um dos seus microrroteiros. A ideia é mais ambiciosa: junto a esses lambe-lambes, Laura pretende colocar aparelhos de mp3s com fones de ouvido com o áudio de cada uma das entrevistas. A dimensão do projeto dependerá da capacidade de arregimentação de financiadores, pois o projeto é do tipo crowdsourcing (veja a matéria abaixo): para realizar a exposição, a artista e a produtora Klaxon Cultura Audiovisual idealizaram uma proposta de financiamento coletivo por meio da venda de microrroteiros. O valor mínimo que precisam alcançar é R$4.500,00 – uma exposição simples, com intervenção nas ruas, mas sem o áudio das histórias. A partir daí, os novos investimentos contribuirão para uma exposição maior, mais rica em microrroteiros, com os áudios das histórias e tudo mais. Saiba mais (e participe!) no blog criado pela produção do projeto

Trend Briefing: por que o envolvimento de consumidores com produtos e serviços antes do lançamento está se tornando cada vez mais comum? Leia o resto deste post »

Trip e Azul integram programa de relacionamento. Tendência?

Como dizia Vinícius, nada como o dia para passar. O que seria blasfêmia alguns anos atrás parece começar a virar tendência: integração vertical em programas de fidelidade. A partir de terça-feira, o programa de fidelidade da Azul, o Tudo Azul, estendeu-se a todos os clientes da Trip, que poderão se cadastrar no programa e acumular créditos, aproveitando todos os benefícios oferecidos. Saiba mais, inclusive promoções, no site Panrotas.

Google Wallet viabiliza micropagamentos de conteúdo na web Leia o resto deste post »

Alguns anos atrás, quando ainda estava na M4R, fui envolvido na vinda para o Brasil de um sistema de pagamentos digitais, chamado M-Pay, uma tecnologia eslovena cujo principal diferencial era utilizar a banda de voz dos celulares, em vez da banda de dados, o que permitia o uso de qualquer operadora.  A proximidade levou à intimidade, como se diz por aí, e, desde então, acompanho o assunto com interesse.

Desde então, também, as soluções multiplicaram-se. Além do Google Wallet, há dezenas, talvez centenas, de produtos que permitem aos consumidores comprar produtos com seus aplicativos de smartphones. O problema é que eles terminam concorrendo com os varejistas pela propriedade dos consumidores. As grandes redes estão claramente insatisfeitas, por exemplo, com a dificuldade que encontram para oferecer ofertas personalizadas e cupons.

Em outras palavras, as carteiras digitais, como elas são hoje, não permitem que o marketing dos varejistas usem os dados dos consumidores para proporcionar uma experiência total do cliente. Atualmente, os varejistas compreendem os comportamentos dos seus consumidores através de várias dimensões – desde o que eles fazem enquanto passeiam pelos corredores até que produtos preferem encomendar online. Mas isso não é suficiente, segundo eles. Um artigo recente do Wall Street Journal informa que duas dezenas de varejistas, incluindo Walmart e Target, estão desenvolvendo um sistema de pagamentos móveis para competir com o Google Wallet e outros produtos similares.
Ao construir seus próprios sistemas de pagamento digital, os varejistas acreditam que podem aumentar a fidelidade do cliente ao integrar as informações com os dados de pagamentos das compras.

Um motivo que não pode ser descartado para esse interesse em desenvolver um sistema próprio é o fato de que o processamento de transações digitais é um negócio potencialmente muito lucrativo. O mercado de pagamentos móveis deverá supera 600 bilhões de dólares até 2016, afirma o WSJ.

O que não se pode perder de vista, entretanto, é a necessidade de fazer com que pagamentos digitais, como qualquer outro ponto de contato onde o consumidor interage com a marca, tornem-se relevantes. Analisando o assunto, Bryan Pearson, presidente e CEO da LoyaltyOne, observa que o varejista não pode apenas adicionar o pagamento digital como um canal de distribuição a mais. Ele precisa se preparar para oferecer uma experiência que represente realmente uma mudança.

Fontes: WSJ e Pearso4Loyalty.com

Portal ProXXIma:

O sistema de pagamento móvel Isis, concorrente direto do Google Wallet, acaba de fechar um acordo com os gigantes dos cartões de crédito American Express, MasterCard, Visa e Discover.

A empresa, que utiliza o Near Field Communication, tecnologia de aproximação que permite realizar pagamentos entre um celular e um terminal por proximidade, tem previsão para iniciar as operações em alguns estados dos Estados Unidos em 2012. Leia o resto deste post »