Bill Gates salvará a Microsoft?

Através da Bill & Melinda Gates Foundation, sem contar os bilhões de dólares despejados nos projetos, Bill está oferecendo um futuro brilhante a muita gente. A questão é se a empresa que ele criou — e que está atravessando momentos difíceis — terá também um. E se Bill está disposto a salvá-la. Continue lendo em A Zona de Desconforto

Android desbanca iOS e alcança 67% de participação em tablets no 2º trimestre Continue lendo »

Anúncios

Preço de smartphones pode cair até 30%

Os smartphones produzidos no país vão ficar até 30% mais baratos do que os importados, afirma o Ministério das Comunicações. O Decreto nº 7.981, publicado na edição de hoje (9) do Diário Oficial da União, desonera esses equipamentos da cobrança de PIS/Pasep e Cofins, com uma renúncia de até R$ 500 milhões ao ano, de acordo com informações do ministério. Continue lendo em A Zona de Desconforto

Infográfico: quais os canais de marketing que empresas integram com seus programas de email? Continue lendo »

Balanço Black Friday: Zoom identificou quase 10 mil ofertas com baixa de preço

Quase 70% de desconto!

O Black Friday, uma das datas mais importantes para o varejo dos Estados Unidos, quando as lojas promovem liquidações em massa, teve sua versão brasileira na última sexta-feira, dia 23 de novembro. O balanço, levantado pelo comparador de preços Zoom foi de que 9,4 mil ofertas, com baixa de preço real, foram veiculadas. Houve quedas reais nas ofertas no dia da Black Friday em relação ao histórico de preços praticados pelas lojas nos sete dias anteriores ao evento. Eis alguns produtos que tiveram os maiores descontos: Lavadora de Alta Pressão Electrolux Power Wash EWS10 – 68,82%, TV LED 47″ LG Cinema 3D Full HD 3 HDMI Conversor Digital Integrado 47LW4500 – 41%, Celular Desbloqueado Samsung Galaxy Beam Android – 41%, iPad 2 16 GB wi-fi – 30%, Notebook Samsung RV411-CD5 com Intel Core i3 2GB 320GB LED 14″ Windows 7 Home Basic – 21,45%. Fonte: Sing Comunicação

Temporada de caça na Apple? Cai o head do Google Maps Continue lendo »

Modelos de negócio no e-commerce é tema de workshop do Projeto E-Commerce Brasil

Evento acontece em São Paulo, no próximo dia 29 de março, e faz parte da quinzena temática “Modelo de Negócios”, que ainda contemplará uma visita técnica e um pocket. Leia a matéria completa aqui.

Ongoing está prestes a adquirir o controle do iG Continue lendo »

Empresa usa mendigos como pontos de WiFi

Homeless Hotspots é uma iniciativa criada pela BBH New York que visa modernizar o modelo de “Street Newspaper”, jornal vendido por mendigos como forma de conseguir dinheiro, tornando os moradores de rua pontos de wi-fi. A proposta foi testada durante a conferência SxSW em Austin, no Texas, EUA, na qual os mendigos circularam pelo evento com camisetas que tinham a mensagem “Eu sou um hotspot 4G” escrita na frente. Leia a matéria completa (com vídeo) no Adnews. Continue lendo »

HP abandona mercado de tablets e smartphones

A Hewlett-Packard anunciou na quinta-feira passada o fim das vendas e produção de dispositivos móveis baseados no sistema webOS, que foi comprada pela HP em 2010, como parte da aquisição da Palm por US$ 1,2 bilhão. Entre os produtos que saem de linha estão o Palm Pre 2,Palm Pixi, Veer e o iPAQ Glisten. Um dos dispositivos que rodavam o sistema, o TouchPad, foi um fracasso de vendas. A Best Buy, parceira da HP no lançamento do tablet, afirma ter vendido menos de 10% das 270 mil unidades recebidas. Continue lendo »

Em post anterior, nós nos referimos ao aparente fracasso do transplante do modelo tradicional de jornalismo diretamente para os tablets. Aí, vem o terremoto que atingiu o Japão na última sexta-feira e surge uma oportunidade de fazer de fato um modelo de jornalismo novos. Quem pega essa bandeira? O Google, claro, que reagiu com um misto de corporação jornalística e empresa de tecnologia, usando o que tinha de melhor em tecnologias de softwares e de gerenciamento de dados.

Enquanto a maioria das empresas ditas de fato jornalísticas ficavam correndo atrás dos fatos, no máximo reproduzindo o farto material documental gravado pelos japoneses e postados em sites como o YouTube, o Google criou um conjunto de ferramentas e páginas com informações sobre o que está acontecendo nos locais atingidos. Grande parte desses dados pode ser acessada na página Japan Quake, um website do Google que disponibiliza informações de emergência sobre o terremoto e o tsunami.
Ao mesmo tempo, criou o People Finder, onde qualquer pessoa pode digitar o nome de supostas vítimas do desastre. Qualquer um que tenha informações sobre alguém que esteja na área afetada também poderá disponibilizá-las nessa página. E o YouTube, que também pertence ao Google, criou o canal CitizenTube, que organiza a publicação dos vídeos que mostram a devastação.
O Google já tinha usado ferramentas similares durante os desastres que atingiram o Haiti e a Nova Zelândia. As contas de twitter da companhia – @google e @googlemaps – também fizeram parte do esforço jornalístico/de utilidade pública, passando informações sobre o progresso do tsunami, assim como links para o Google Maps, mostrando quais pontos ele atingiria.
Sem dúvida, um modelo diferente do praticado por jornais e televisões tradicionais. E bem mais adequado aos nossos tempos. Muitos outros modelos ainda surgiram, antes que alguns se estabeleçam. Veremos, como diria o cego.

Aqui no Laboratório, estamos felizes. É que, segundo o Meio & Mensagem, o Google Street View já está disponível para os brasileiros. Nesta quinta-feira, 30, a gigante da web lançou oficialmente essa funcionalidade do Google Maps, que contempla 51 cidades. Mais de 150 mil quilômetros de vias foram percorridas e milhões de imagens foram processadas (isso nos Estados Unidos) para que os internautas daqui possam visualizar cenas de 360 graus em ruas de lugares como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, e os históricos municípios mineiros de Congonhas, Mariana e Tiradentes.

Iniciado há cerca de um ano, o projeto teve como parceiro a Fiat, que cedeu 30 Stilos (conduzidos por 60 motoristas) nos quais foram montadas as estruturas tecnológicas responsáveis pela captação de imagens. Segundo Flavia Simon, gerente de marketing do Google Brasil, “o Google Maps já é uma plataforma disponível para campanhas, para projetos de construção de marcas. Com o Street View, a gente pode incluir outros setores, como o turístico. Também pode ser interessante para concessionárias, bares e restaurantes. E outro segmento que pode usufruir bem dessa ferramenta é o mercado imobiliário”.

Leia a matéria completa…