A tese é simples: ou você sai da sua zona de conforto ou não vai chegar a lugar nenhum. Por isso, um grupo de profissionais (dos quais faço parte) reuniu-se e criou um portal de informações diferente e moderno, onde o assunto principal são as adversidades experimentadas pelos maiores executivos das empresas mais expressivas do Brasil e do mundo.

Decisões equivocadas, situações irreversíveis, resultados inesperados, influências externas, perda de liderança, enfim, o mundo corporativo observado sempre pelo cenário mais desconfortável.

O portal trará também artigos especiais abordando temas críticos para a sobrevivência das grandes, médias ou pequenas empresas nos tempos atuais: Gestão de Pessoas, Comportamento, Estratégias de Marketing, Internet, Mídias Sociais e muito mais, sob o ponto de vista de um excelente time de colunistas.

Visite já: www.azonadedesconforto.com.br É indicado principalmente para quem desconfia que está para dar um passo maior que a perna.

A Zona de Desconforto. Não comenta o erro de deixar de ler.

Neste artigo, publicado na coluna da ABRH no jornal O Estado de São Paulo, a especialista em Recursos Humanos Cibele Nardi explica como colocar o processo de Coaching Executivo numa perspectiva estratégica e ajudar a empresa a alcançar seus resultados.

Vivemos numa época de grandes desafios no mundo corporativo. Um dos desafios das áreas de RH e gestão de pessoas está em encontrar uma forma de auxiliar as organizações a atingirem seus resultados por meio de seus colaboradores. Colocar pessoas como meio e não como fim implica alinhar o desenvolvimento organizacional com os desafios do negócio e compreender que o foco está na gestão das interações das pessoas (líder e liderado, cliente e fornecedor, entre pares, entre as equipes).

Numa era em que os conhecimentos teóricos e a capacidade técnica das pessoas não são mais suficientes para atender às demandas do mercado, cada vez mais é necessário desenvolver competências comportamentais para construir relacionamentos mais positivos, lidar com as adversidades e conflitos do dia a dia e entregar resultados melhores. Ou seja, para que seu desempenho seja reflexo de seu verdadeiro potencial. O processo de coaching atua exatamente aí, gerando desenvolvimento de competências com foco nos resultados pessoais e da empresa.

Colocar o processo de coaching numa perspectiva estratégica envolve planejar hoje o desenvolvimento das habilidades para o futuro. Para isso, os profissionais de RH precisam entender os negócios da empresa agora e no futuro, definir o perfil do profissional requerido nesse futuro e participar das decisões estratégicas para agregar valor na execução delas por meio das pessoas, atuando tanto como agente de mudança quanto parceiro estratégico, segundo os papéis de Dave Ulrich.

Um passo a passo para inserir os processos de coaching no planejamento estratégico de desenvolvimento de pessoas começa na identificação dos desafios empresariais, passa pelo desenho do conjunto de competências essenciais e pela elaboração do plano de desenvolvimento com base nas lacunas encontradas. As perguntas abaixo colaboram para o planejamento das etapas do ciclo:

•      Quais são os principais desafios de negócio que a organização enfrenta hoje? E nos próximos dois a cinco anos?

•      Que habilidades são necessárias para ser bem-sucedido?

•      Como alinhar essas necessidades com a estratégia de negócios?

•      Quais as metas para o desenvolvimento das pessoas e das lideranças?

•      Quais estratégias utilizar para o desenvolvimento das pessoas?

•      Quais as métricas que serão usadas para acompanhar os resultados?

Ao entender o contexto, os desafios organizacionais e os resultados do negócio desejados, o RH apoia a organização identificando oportunidades e determinando os fatores de sucesso, as competências-chave para atingir os resultados atuais e futuros e definindo as melhores estratégias de desenvolvimento das pessoas, equipes e líderes.

O processo de coaching tem sido uma das estratégias escolhidas pelas empresas para desenvolver as competências que os líderes e as equipes precisam hoje e amanhã. A implantação de uma cultura de coaching colabora para que os resultados ocorram mais rapidamente e com mais aprendizado durante o processo porque o desenvolvimento ocorre on-the-job, na prática, durante o trabalho e na interação com os outros.