Em outubro passado, publiquei notícia sobre um programa de fidelidade que o Groupon iria lançar no mês seguinte, usando como mercado teste a cidade de Philadelphia. O nome do programa era Groupon Rewards (vamos dar um desconto para a criatividade) e focava, equivocadamente na opinião do blog da Colloquy, ainda mais na redução de preços. Pois parece que a empresa tomou gosto, pois surge agora a notícia de outro programa, o Groupon VIP. Continue lendo »

Segundo o Mashable, o serviço de geolocalização Foursquare está adicionando um novo componente de marketing ao seu popular aplicativo móvel. Em breve, a startup vai incorporar ofertas diárias de parceiros como Groupon, LivingSocial, Gilt Groupe e outros em seu produto.

Em uma entrevista ao Wall Street Journal, Dennis Crowley, co-fundador e CEO do Foursquare, declarou que a empresa estará oferecendo cupons desses parceiros de marketing aos usuários do serviço — e ficando com uma parte da receita.

Atualmente, o Foursquare é um canal de marketing para cerca de meio milhão de negócios, geralmente pequenos e médios. Eles oferecem os “specials”, incluindo descontos e brindes, aos usuários que fizerem check in em suas lojas. Mas não pagam por esse privilégio e o Fourquare não tem nenhuma receita com essas ações.

Recentemente, o Foursquare ultrapassou 10 milhões de usuários. Além disso, levantou 50 milhões de dólares em uma rodada de investimentos no mês passado.

O site de compras coletivas Groupon celebra seus primeiros 365 dias de operação no Brasil de forma inusitada. Apenas nesta terça-feira (28/6), clientes em 25 localidades do País poderão comprar uma surpresa por 3,65 reais – o valor normal é 9,90 reais. Leia no IDG Now

Ou de qualquer outra forma, desde que nova. Porque, verdade seja dita, a onda de sites de compras coletivas já está na fase de esgotamento. Pelo menos no modelo criado pelo GroupOn e seguido aqui entre nós pelo Peixe Urbano, pelo ClickOn, pelo Oferta Única, pelo… enfim, pelas centenas de sites que estão na mesma toada.

Por que, esgotamento? Em primeiro lugar, porque o custo de aquisição de um novo cliente foi para as nuvens. Fala-se em mais de 50 reais. Imagine quanto esses sites que saíram na frente teriam que gastar hoje para montar a base que possuem atualmente. Algumas centenas de milhões de reais. Em vez de lançar o Imperdível, teríamos que lançar o Impensável.

A aposta agora é em qual será o próximo modelo.

Uma novidade que pintou recentemente foi o  u-Deals, site criado em San Francisco, pela Loopt, um mashup de FourSquare com compras coletivas já famoso na região. No u-Deals, você escolhe o que deseja comprar com desconto. Se quiser visitar um bar, por exemplo, você manda a sugestão à empresa que, se identificar ali uma boa oportunidade de negócio, procura o estabelecimento. A partir daí, basta chamar os convidados e esperar até que a oferta apareça. Quando isso acontecer, todos os cadastrados recebem um link que dá direito ao cupom.

A gente aqui no Laboratório está fazendo alguns experimentos. E você, já tem uma idéia do próximo “groupon”?

IDGNow:

Site brasileiro de compras coletivas possui sete milhões de usuários registrados. Valor da transação não foi revelado.

As Organizações Globo confirmaram nesta terça (4) a aquisição de 40% do site de compras coletivas ClickOn. O valor da transação, porém, não foi revelado.

A aquisição foi feita pelo grupo Mosaico, braço do conglomerado responsável por investimentos na Internet. O ClickOn, criado há cerca de um ano, conta com sete milhões de usuários cadastrados e atua em 43 cidades do Brasil. Tem como principais concorrentes o Groupon – o maior do gênero – e o Peixe Urbano – portal brasileiro que conta com Luciano Huck como sócio.

A intenção das Organizações Globo com a compra é aumentar sua presença na oferta de conteúdo digital. Este ano, por exemplo, ela já adquiriu as empresas Mundi, especializada em viagens, e Gazeus, desenvolvedora de jogos online.

“O modelo de compras coletivas dinamizou o comércio eletrônico no Brasil, atraindo novos consumidores e empresas para fazer negócios online, e enxergamos um forte potencial para seu crescimento continuado nos próximos anos”, explicou Guilherme Pacheco, CEO da Mosaico

O Brasil conta com mais de mil sites de compras coletivas. No entanto, os seis maiores – o ClickOn está entre eles – são responsáveis por 82,5% das vendas. Estima-se que esse tipo de serviço já alcance 61% dos internautas brasileiros e que tenha movimentado em fevereiro, no País, 71 milhões de reais – a expectativa é que esse valor atinja 1 bilhão de reais até o fim do ano.

Depois do Google, é a vez do Facebook anunciar o lançamento do seu site de compras coletivas, o Deals. Começa hoje e funciona para San Francisco, Austin, Dallas, Atlanta e San Diego. Facebook revelou ao The New York Times que as ofertas locais para os usuários do Deals serão entregues via email e também aparecerão nos ´feeds´ dos usuários.

Fonte: Mashable.com

Adnews:

No final do mês passado surgiu no Brasil um modelo de divulgação até então desconhecido no mundo. A ferramenta une conceitos de compras coletivas à rede social que se tornou termômetro da internet, o Twitter.

Criado por Filipe Boldo, diretor da produtora de web Hyperbolic, o great.es tem como único objetivo realizar sorteios diários. A diferença é que o produto ou serviço só vai para o ganhador quando determinada quantidade de mensagens forem soltas no microblog.

Nesta quinta-feira (17), por exemplo, o site oferece três licenças do Antivírus Titanium, da Trend Micro. Neste caso, serão necessários 250 tweets para que o sorteio aconteça (serão três ganhadores, uma licença para cada).

“O grat.es é um website de sorteios no Twitter, misturando elementos das compras coletivas e burburinhos nas redes sociais”, afirma o site. “Na prática, você troca um tweet pela chance de ganhar o que o anunciante está oferecendo.”

De acordo com o ReadWriteWeb Brasil, levaram apenas dois dias para que o projeto saísse da cabeça de Boldo e fosse parar na internet. “Sei do potencial do negócio e queria lançar algo o mais rápido possível para conseguir colher feedbacks”, afirmou ao site.

 

Adnews:

Consumidores têm se sentido discriminados pelos próprios comerciantes que usam sites de compras coletivas para divulgar produtos e serviços. De acordo com o jornal Metro, quase 4 mil reclamações referentes ao setor já foram registradas pelo site Reclame Aqui desde julho de 2010.

Foram, no total, 3.391 queixas sobre as principais empresas que atuam no setor, como Click On, Clube Urbano, Imperdível, Oferta Única e Peixe Urbano. Se levado em conta sites conhecidos como “clubes de desconto”, o número salta para mais de 8,5 mil nos últimos 12 meses; neste caso entrariam marcas como Brandsclub e Privalia.

O Brasil abriga mais de 700 sites que adotaram o modelo iniciado pelo norte-americano Groupon. O problema é que muitos clientes sentem preconceito dos estabelecimentos quando apresentam os cupons de desconto conquistados através dos sites. O diretor do Reclame Aqui, Mauricio Vargas, disse ao jornal que os fornecedores também são alvo de queixas por não haver preparo para atender à demanda de cupons, ou seja, vendem, mais do que podem.

Há ainda reclamações referentes a cobranças em duplicidade e à dificuldade encontrada por clientes na hora de cancelar uma aquisição. O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) orienta o consumidor a observar dois pontos importantes na hora de fechar uma compra: quantas pessoas precisam adquirir o produto/serviço para efetivar a oferta e quantas já acertaram a compra.