O mundo do  big data cada vez menos envolve “geeks” idealistas focados focados em pesquisa de código aberto e mais profissionais que buscam, através de aprendizado de máquina e outras tecnologias, resolver problemas reais de negócios 

Continue lendo »

Resultado de imagem para pokemon go

Sistema definirá os limites dos locais aceitáveis para os jogadores e protegerá os dados acumulados contra alterações e falsificações

Continue lendo »


Funcionalidade tem alto poder de compreender tópicos avançados de diferentes tipos de emoção, avaliando conteúdos de fala e entonação de voz Continue lendo »

collectingbusinessinsights
Como são investimentos consideráveis, empresas estão se satisfazendo com soluções menos eficazes de coleta de dados

Continue lendo »

Dados são gerados por 90 milhões de transações online semanais em suas 25.000 loja 

Continue lendo »

Resultado de imagem para eduardo ramalhoDescubra quanto sua empresa está perdendo ao não utilizar o Big Data Analytics e que essa solução está ao seu alcance Continue lendo »

Resultado de imagem para art peck gapAlavancar os dados do consumidor paga dividendos de várias maneiras, disse Art Peck Continue lendo »

business, communication, digital, crowd, audience,Adobe Cloud Platform oferece um novo modelo de dados e ferramentas para que os cientistas construam modelos de dados personalizados

Continue lendo »

Hora e dia da semana, a pergunta e o nível do prospect são fatores relevantes
O método de abordagem usado por representantes de vendas para uma primeira conexão faz uma diferença significativa nas taxas de resposta. Portanto, alerta Jeff Hoffman, da HubSpot, em vez de basear sua decisão sobre ligar ou enviar um e-mail a um prospect nas suas preferências pessoais ou na sua conveniência, você deveria escolher de acordo com a maior probabilidade de resposta do prospect. Há três fatores que se pode seguir como seus guias para decidir se abordar um prospect por e-mail ou telefone, diz o executivo. 1) Hora e dia da semana. Estatisticamente, as taxas de conexão aumentam à medida que o dia passa e à medida que a semana passa. Em outras palavras, uma pessoa tem mais probabilidade de atender o telefone mais tarde no dia e na semana de trabalho. 2) A pergunta. Perguntas fortes exigem compromisso do prospect para fazer alguma coisa. Marcar de reuniões ou chamadas em conferência ou para avaliações de produtos são fechamentos fortes. Perguntas fracas buscam informações diretas do comprador, como a solicitação de feedback ou uma indicação. Perguntas fortes exigem abordagem por telefone, pois exigem mais do prospect. 3) O nível do prospect. Subordinados nem sempre têm assistentes, ao contrário de diretores executivos.Por isso, quanto mais alto for o nível hierárquico de seu prospect em uma organização, mais provável será que você fale com uma pessoa ao ligar. Como uma conversa com uma pessoa — não importa se é a pessoa que você quer abordar ou não –supera uma troca de e-mails, recorra ao telefone para falar com compradores do nível gerencial ou acima. Além disso, os prospects de nível mais elevado costumam ficar mais à vontade no telefone e ser menos intimidados por chamadas de vendas. Hoffman considera que o começo e o fim de cada envolvimento de venda devem ser feitos por telefone, pois aí estão as perguntas mais fortes. Fonte: HubSpot

Perdeu o #SXSW2018NOBRASIL? Então não perca esta chance!
O que vai equalizar o varejo daqui para frente? Big Data!
As empresas têm acesso atualmente a enormes quantidades de dados de sites, aplicativos móveis, CRM, fluxos de mídia social, programas de fidelidade e sistemas de pontos de venda. No entanto, comenta Alessander Firmino, Diretor Geral da Criteo para o Brasil e a América Latina, todo esse conteúdo é muitas vezes disperso em vários silos, tornando-se desafiador ter visibilidade total e extrair informações ativas. Pior ainda, esse material pode levar a campanhas que, em última instância, confundem ou até irritam os consumidores porque os dados estão defeituosos ou fora de contexto. A boa notícia, diz ele,  é que varejistas e marcas possuem as ferramentas para lutar e prosperar. Big Data tem potencial para ser o grande equalizador em um momento de transformação, no qual estamos lutando pela parcela do tempo, atenção e pela carteira dos consumidores. Mas é necessário romper com as abordagens tradicionais e reformular estratégias, dando três passos fundamentais. O primeiro é fazer do Big Data uma prioridade. Os dados devem ser vistos como um ativo estratégico e abordar aspectos importantes como armazenagem, arquitetura de dados, governança e conformidade. Deve haver também um foco na qualidade das informações. O segundo passo é impulsionar a colaboração de dados. Um estudo da Criteo mostrou que três quintos dos profissionais pesquisados já fazem parte de uma cooperativa e sete em cada dez estão satisfeitos com suas colaborações. A acumulação de recursos entre várias organizações pode melhorar a personalização e o retorno do investimento. Finalmente, deve-se usar o dado correto na hora certa. Fonte: Portal Segs

Se você pensar um pouco, desafia Michael Kassner, no site Techopedia , verá que Big Data e agricultura nasceram uma para a outra. Traduzo e adapto o artigo a partir de agora.

Por um lado, segundo Kassner, a agro-indústria tem dados suficientes para fazer feliz mesmo o analista de dados mais fanáticos. Por outro, os agricultores começam a descobrir que podem usar o que a tecnologia de Big Data faz melhor: decifrar montanhas de dados. Continue lendo »