Um artigo do New York Times publicado neste sábado, 27/4, conta algumas histórias sobre cyberempreendedores com enredo semelhante: eles criaram aplicativos que ajudavam as pessoas a limitar o tempo que eles e seus filhos gastavam em iPhones. Mas aí a Apple criou seu próprio rastreador de tempo de tela. E em seguida dedicou-se a inviabilizar o negócio deles.

Resultado de imagem para screen time trackerNo ano passado, segundo o artigo, baseado em uma análise da Sensor Tower, a Apple removeu ou restringiu pelo menos 11 dos 17 aplicativos de controle de tempo e de tela mais baixados. E também atacou vários aplicativos menos conhecidos.

Em alguns casos, a Apple forçou as empresas a remover recursos que permitiam que os pais controlassem os dispositivos de seus filhos ou que bloqueassem o acesso de crianças a determinados aplicativos e conteúdo adulto. Em outros casos, ele simplesmente retirou os aplicativos de sua App Store. Continue lendo »