Inteligência Artificial está eliminando empregos em algumas empresas

05/03/2018

Resultado de imagem para inteligência artificialMas poupa tempo para aqueles que ficam empregados

Em uma pesquisa da Infosys realizada em janeiro de 2018 com executivos e tomadores de decisão de TI em todo o mundo, cerca de dois em cinco entrevistados disseram que sua empresa eliminou empregos que se tornaram redundantes após a adoção da IA. E aproximadamente 70% dos entrevistados relataram que os funcionários de suas empresas estão preocupados com a perspectiva de serem substituídos. Em uma nota menos distópica, cerca de metade dos entrevistados disseram que a IA está tornando as pessoas mais eficientes em seus empregos. Da mesma forma, quase metade dos entrevistados informou que a IA está liberando o tempo das pessoas ao automatizar tarefas rotineiras. A maioria dos entrevistados acha que, quando a IA é aplicada a uma tarefa, é mais eficiente e produtiva do que os humanos. Entre os pesquisados, 45% disseram que as ferramentas de IA são significativamente mais precisas do que os humanos que fazem o mesmo trabalho. Analistas acham sensato ter cautela antes de generalizar as descobertas de um único estudo. Um artigo no MIT Sloan Management Review afirma que a IA criará novos empregos uma vez que o surgimento da tecnologia levará a novas posições para pessoas que se especializam em treinamento e operação tecnológica. Um relatório da Gartner estima que a AI criará 2,3 milhões de empregos até 2020, ao mesmo tempo em que elimina apenas 1,8 milhão de empregos. O mais claro é que as empresas estão cada vez mais jogando dinheiro na IA, particularmente no setor de tecnologia de marketing, onde grandes empresas como a Salesforce, IBM, Oracle e Nielsen investiram nela. De acordo com uma pesquisa realizada em agosto de 2017 pelos principais agentes de informação do mundo por parte da Dynatrace, 83% das empresas com mais de 1.000 funcionários usam ou planejam usar IA no próximo ano. Fonte: eMarketer

Prós e contras da criação de lojas na Amazon

‘Amazon Stores’ seria o equivalente digital de uma prateleira na parte de trás da loja — oferecem vantagens, mas serão encontradas pelos compradores?
A oferta gratuita de auto-serviço da Amazon Marketing Services permite que as marcas criem páginas em Amazon.com/brandname e, teoricamente, criem mais uma experiência de marca na Amazon — se os clientes puderem encontrá-las. A opção tornou-se disponível no verão de 2017, e desde então, marcas como Maybelline, Lego e Samsung construíram microsites da Amazon. A página do Lego, por exemplo, permite que os consumidores compram brinquedos por idade e solicite coleções específicas do Lego, como Duplo, Juniores e Cidade. Mas, enquanto a loja oferece às marcas um maior controle sobre os displays de produtos e conteúdo de vídeos na Amazon, a visibilidade dessas páginas continua sendo um desafio. A idéia é sólida na teoria: as lojas permitem que as marcas mantenham o foco do cliente de forma não disponível anteriormente no site, pois os resultados da busca — mesmo para marcas específicas — incluem competidores. “Uma parte fundamental que faltou na experiência da marca foi que as marcas não tiveram a chance de mostrar a gama completa de seus produtos”, afirmou Nathan Grimm, diretor de marketing da Indigitous, agência focada na Amazon. “Eles estavam apenas tentando subir um produto de cada vez para ver qual aparece mais”. Além disso, as marcas eram obrigadas pela Amazon por sua classificação em resultados de pesquisa no local e não podiam exibir produtos relacionados. Grimm compara as lojas da Amazon com o equivalente digital de uma prateleira na loja … se a prateleira estivesse localizada na parte de trás da loja. “É mais fácil navegar se você sabe que eles estão lá”, disse Grimm. “Até agora, não os vi em resultados de pesquisa … Ouvi dizer que isso pode estar chegando … [mas] no momento, você ainda vai conseguir uma pequena fração de tráfego na Amazon para ver essas experiências de marca, com a exceção sendo [que] você pode enviar o tráfego de anúncios de pesquisa de título para a loja da marca ou dirigir a partir da Amazon”. A Amazon está encorajando as marcas a usarem produtos como anúncios de pesquisa de título para promover essas páginas, mas Grimm disse que a maior parte do tráfego para as páginas de lojas das marcas ainda vem de consumidores clicando no nome da marca nas páginas de detalhes do produto. A Amazon lançou recentemente um conjunto de painéis que permitem que as marcas vejam dados de desempenho de tráfego e vendas para essas páginas.Um representante da Amazon disse que as lojas estão nos primeiros dias. “Estamos certamente passando muito tempo aprendendo mais sobre a experiência de lojas e entendendo o feedback dos anunciantes, e a visibilidade é uma das coisas que é importante”, disse o representante. “Nós normalmente não falamos em planos futuros, então eu não posso falar sobre o que podemos fazer [e] todas as outras coisas que estamos olhando para continuar a evoluir”. Fonte: Adweek

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: