A ideia seria uma versão com cenas ou ângulos mais facilmente visíveis ou imersíveis em smartphones
O chief product officer da Netflix, Neil Hunt, disse em uma apresentação para a imprensa em San Francisco, na semana passada, que a empresa planeja explorar versões de suas produções originais, filmes e séries, especificamente para dispositivos móveis. Espera assim satisfazer uma crescente parcela de sua audiência. “Não é inconcebível que peguemos uma cópia master e façamos uma edição para mobile”, disse Hunt. Até o momento, a Netflix não tem edições diferentes para serem vistas em plataformas diferentes, mas “é algo que vamos explorar nos próximos anos”, contou Hunt. A ideia seria criar uma versão do conteúdo com cenas ou ângulos mais facilmente visíveis ou imersíveis em um smarphone. Fonte: The Verge

YouTube está reduzindo a exigência de 10 mil assinantes para transmissões mobile ao vivo

Agora em fevereiro, o app do YouTube para Android acrescentou a capacidade de gerar transmissões ao vivo direto do smartphone/tablet do usuário, muito semelhante ao Periscope e Instagram Live. Mas há uma pegadinha: o canal interessado no recurso precisaria ter pelo menos 10 mil assinantes para usá-lo. Agora, o Google parece ter decidido reduzir a exigência, ampliando as transmissões ao vivo para mais usuários. O site Android Police contou que o recurso de “live streaming” ficou disponível para eles na quinta, 16/3, apesar do canal ter apenas cerca de 5 mil assinantes. Outros usuários estão relatando a mesma coisa — e há relatos de disponibilidade em apps iOS. Segundo o site, não parece ter havido outras mudanças. Para ver se o canal está com o recurso, deve-se apertar o botão flutuante de gravação na home do app do YouTube. Em aso positivos, aparecerá um botão ´Go Live´ além do botão de gravar padrão. Fonte: Android Police

Microsoft pode levar marketing geolocalizado para o Office 365
Ferramenta permitirá que consumidor seja atingido em tempo real onde estiver
“Sistemas de inteligência” são prioritários para os fornecedores de software, mas algumas têm trabalhado nesse campo com mais afinco. A Microsoft, por exemplo. A aquisição do LinkedIn (US$ 26 bi), assim como a integração do Office 365 com o Microsoft Dynamics CRM demonstra a intenção de integrar os sistemas internos de dados e aumentar esses dados com fontes externas de informação. Os rumores atuais são que esse roteiro será ampliado, com a Microsoft trabalhando em uma oferta que combina o Office 365 com marketing geolocalizado (em inglês, “location-based marketing – LBM”). Esse serviço capacitaria a empresa a permitir que seus clientes desenvolvessem um marketing mais dirigido, com mensagens e anúncios customizados para perfis e preferências. Segundo analistas, LBM vai levar os sistemas de inteligência para o próximo patamar em termos de ser capaz de atingir o consumidor com a mensagem certa, em tempo real, independente do canal — mobile, web, social, loja física, etc. — que a empresa usar. Fonte: TechTarget

 

A equipe da Gol: Rogério Guerra, Juliane Castiglione e Eduardo Bernardes

Rogerio Guerra, Juliane Castiglione e Eduardo Bernardes, da Gol. Saiba mais sobre o programa para PMEs

Lojas virtuais podem armazenar seus produtos nos Correios, que farão gestão do estoque e atenderão pedidos, com diversas vantagens de custo Continue lendo »


Resultado de imagem para sxsw 2017Está na hora de rever o que foi criado nos ultimos anos? Os 4 fantásticos, vestíveis, cérebro e narrativa, chatbots
Continue lendo »

Facebook Stories chega para alguns usuários de Android em todo o mundo (Foto: Carolina Ochsendorf / TechTudo)Diferencial é que se poderá escolher onde publicar, no Stories ou no feed de notícias como um post tradicional
Continue lendo »

Make Direct Mail and Important Part of Your E-commerce MarketingUsa-se a mesma metodologia do retargeting digital e pode ser muito mais eficaz Continue lendo »

Além de ficar mais fácil digitar URLs, usuários de pré-pagos não querem que os apps gastem os preciosos dados nos momentos em que o celular não está em uso Continue lendo »

Facebook proíbe uso de seus dados para vigilância. Confira abaixo

A partir da quarta, 15/3, estará disponível nas agências centrais de Brasília e São Paulo; até 31/3, estará em todas as agências próprias Continue lendo »

Resultado de imagem para 360-degree video snapchatInterações são duas a três vezes maiores ao usar a plataforma
Marcas como Universal Pictures, Chick-fil-A e Netflix estão experimentando os vídeos 360 graus do Snapchat, e Michael Rucker, da OmniVirt, disse que os clientes de sua empresa estão vendo taxas de “swipe-up” (quando o usuário passa o dedo na tela de um dispositivo mobile para dirigir a ação) duas a três vezes superiores quando usam o formato. Nick Cicero, da Delmondo, prevê que o uso de vídeos 360 graus vai crescer muito na plataforma, “porque o ato de swiping up é muito poderoso, pois sinaliza intenção”. Fonte: Digiday

Google lança programa de extensões para Gmail

O Google está fazendo o possível para que desenvolvedores levem seus serviços para o Gmail, usando novas integrações chamadas Add-ons. São construídos de tal form que os desenvolvedores só precisem escrever um conjunto de códigos na linguagem Apps Script, do Google. Assim, uma extensão QuickBooks permitiria que os usuários enviassem facilmente faturas para seus clientes. O Google já oferece extensões para seus softwares de processamento de texto, Docs, e planilhas, Sheets. Esse tipo de sistema pode ser útil para os usuários porque os ajuda a terminar seus trabalhos sem sair do Gmail. Também ajuda a atrair os usuários para o app oficial de email do Google, em vez de usar um dos vários outros clientes que podem acessar o serviço, incluindo o Microsoft Outlook. Fonte: CIO.com

Vídeos nativos do Facebook tem uma taxa de compartilhamento 1.055% superior ao do YouTube
Vídeo nativo está se tornando imensamente importante. Com 25% dos usuários nos EUA adotando um bloqueador de anúncio no ano passado, o conteúdo nativo é como os anunciantes estão evitando o problema. E o video nativo é uma das razões pelas quais o marketing de influenciadores e o conteúdo gerado pelo usuário tornou-se tão importante Em um estudo publicado nesta segunda, 13/3, pela Quintly, empresa de análise de mídias sociais — que usou dados de 6,2 milhões de posts de 167 mil perfis do Facebook durante 2016 — uma coisa é clara: o vídeo nativo não apenas tomou conta do Facebook como fez isso por causa do design. O Facebook está determinado a alcançar e ultrapassar o YouTube na guerra de vídeos. Em 2015, a VB Insight estudou as duas plataformas e descobriu que o YouTube ainda era 11X maior do que o Facebook. Na época, os americanos passaram um agregado de 8.061 anos no YouTube e 713 anos no Facebook. Mas com os vídeos rodando automaticamente nos timelines e um design que reduz a importância das outras plataformas de vídeo, a gigante das redes sociais está diminuindo a dianteira do YouTube. “Nosso último estudo já mostrou os vídeos nativos do Facebook como dominantes na rede social”, contou Nils Herrmann, da Quintly. Em dezembro de 2016, mostrou o estudo, o desempenho foi 186% superior aos videos do YouTube e a taxa de compartilhamentos foi 1.055% superior. Outra prova do acerto da tática do Facebook é o fato de que os compartilhamentos de vídeos do Vimeo praticamente desapareceram inteiramente da rede — apenas 2% dos perfis incluíram um link do Vimeo em seus feeds. Fonte: Venture Beat

Engenheiro que saiu do Google para dirigir o projeto da Uber teria levado com ele dezenas de milhares de arquivos confidenciais
A Waymo, spinoff do Google encarregada do projeto de carros autônomos, solicitou formalmente à justiça americana para impedir que a Uber opere com tecnologia obtida dos veiculos da empresa da Alphabet. A ação judicial foi deflagrada no mês passado e alega que a Uber roubou elementos chave da tecnologia do Google. A Uber afirma que as acusações não têm base. Na sexta, 10/3, a Waymo entregou um testemunho juramentado de Gary Brown, um engenheiro de segurança forense que está com o Google desde 2013. Citando registros da rede segura do Google, Brown afirma que Anthony Levandowski, um ex-engenheiro da empresa que agora dirige o programa de carros autônomos da Alphabet, tendo baixado 14 mil arquivos de um repositório do Google que contem arquivos de design, esquemas e outras informações confidenciais pertencentes ao projeto de carro autônomo. Levandowski usou um laptop fornecido pelo Google para baixar os arquivos, o que tornou mais facil o rastreamento, contou Brown. Ele também implicou outros engenheiros no esquema: Radu Raduta e Sameer Kshirsagar. Ambos também teriam baixado material confidencial, incluindo listas de fornecedores e consultores. Fonte: The Verge
Facebook coloca realidade virtual na timeline dos usuários 

Três anos depois de adquirir a Oculus, o Facebook está finalmente integrando o braço de realidade virtual da empresa em sua plataforma com um novo app de 360 graus. Desde a aquisição, a gigante das mídias sociais vem dando passos para expandir sua presença em realidade virtual, mas até agora mantinha as áreas separadas. Agora, a linha divisória foi cruzada — pelo menos para alguns usuários. O novo app de RV foi produzido pela Oculus e só está disponível para o Samsung Gear VR. Quem possui o dispositivo poderá acessar conteúdo em 360 graus via sua timeline no Facebook. Como a empresa planeja expandir o app ou seus recursos permanece incerto. “O Facebook está claramente entusiasmado tanto com vídeo como com a realidade virtual, por isso aproximar esses dois paradigmas estrategicamente faz sentido para a empresa”, comentou Paul Verna, analista da eMarketer. “Se os usuários abraçarão RV em massa é outra questão, mas em um futuro próximo podemos esperar muita experimentação de marcas, veiculos e criativos em geral.” Fonte: eMarketer

3 maneiras que emissores de cartões podem usar para alavancar uso e lucratividade
Há pressões cada vez maiores sobre a lucratividade dos programas de fidelidade e premiação ligados ao uso de cartões de crédito, cartões presente e cartões pré-pagos. Os consumidores têm mais recursos do que nunca para a comparação de preços, privilégios e prêmios, o que significa que as marcas precisam se atualizar constantemente para competir e encontrar a combinação mais atraente e lucrativa de ofertas. Os gestores dos programas de cartões não podem controlar a concorrência ou os mercados, mas podem controlar aspectos chave de seus portfolios, incluindo a eficiência operacional, alavancando a flexibilidade, por exemplo, a produtividade de marketing, principalmente através da personalização e aproveitando oportunidades de co-branding, e fidelidade do consumidor, usando eventos definidos no ciclo de vida dos cartões atuais e também recuperando ex-clientes. Ao gerenciar essas três alavancas de lucratividade, pode-se maximizar o sucesso dos cartões. Fonte: Colloquy

 

Você já ouviu falar em John Bannister Goodenough? Segundo a Wikipédia, é um professor da Universidade do Texas em Austin, que contribuiu para o desenvolvimento das modernas baterias de ions de lítio. Continue lendo »