Victoria’s Secret, de volta às origens. Wearables crescerão 78%/ano. E mais

14/04/2014

Victoria’s Secret está tentando voltar às origens

Dream AngelsA Victoria’s Secret vai diminuir a quantidade de itens como tecidos, vestuário e jeans, e reduzir o número de estilos de roupas que vende através do Victoria’s Secret Direct, em um movimento para voltar o foco da marca para suas principais ofertas de roupas íntimas, perfumes e cosméticos. “Com o objetivo de dobrar o negócio e continuar nossa expansão internacional, este alinhamento das categorias de vestuário com os atributos centrais das marcas Victoria’s Secret e Pink irá proporcionar uma experiência de marca coesa para nosso cliente nas lojas, online e através de nosso catálogo”, disse Sharen Jester Turney, CEO da empresa. Fonte: Women’sWearDaily

IKEA investe em parque eólico para diminuir custos de energia

A Ikea está construindo no estado de Illinois, um parque eólico com tamanho suficiente para garantir que suas lojas nunca mais terão que comprar novamente um único quilowatt de energia. Com o projeto, o primeiro investimento eólico da Ikea nos EUA, a empresa insere-se em um número crescente de empresas que resolveram cuidar de suas necessidades energéticas através comprando ou investindo em energia produzida pelo vento e pelo sol. A Microsoft anunciou no ano passado que vai comprar energia de um parque eólico de 55 turbinas no Texas. Ao mesmo tempo, o Facebook anunciou que vai acionar seu novo centro de dados de Iowa, usando energia eólica a partir de um parque eólico que MidAmerican Energia está construindo no estado. Ao longo dos últimos anos, o Google vem aumentando as compras de energia eólica e investindo em projetos de energia eólica em Iowa, Oklahoma e Texas. A American Wind Energy Association informa que o Walmart deu partida a essa tendência em 2008, quando fez uma compra substancial de energia eólica de um parque eólico da Duke Energy no Texas.Fonte: ChicagoTribune

O que a Amazon está pensando quando paga para seus funcionários pedirem demissão?

A Amazon afirma esperar que os funcionários dos seus “fulfillment centers” estejam felizes com seus empregos. Mas se não estiverem, a Amazon tem uma proposta para eles: um bônus de até US$ 5.000 para que saiam. O programa chama-se “Pay to Quit” e oferece àqueles que não estão comprometidos com os seus empregos US$ 2.000 em verbas rescisórias no primeiro ano de trabalho – a vantagem chega a US$ 5.000 para quem está no quarto ano.  Jeff Bezos, fundador e CEO da Amazon, explicou o programa em sua 2013 Letter to Shareholders, divulgada esta semana. “O objetivo é incentivar as pessoas a pararem por um momento e pensarem sobre o que eles realmente querem”, disse Bezos na carta. “No longo prazo, continuar empregado em um lugar onde não se quer ficar não é saudável nem para o funcionári nem para a empresa.” O programa foi iniciado na Zappos.com, uma subsidiária da Amazon, que vende sapatos e outros acessórios, disse Bezos. A Amazon comprou a Zappos em 2009 por US$ 850 milhões. Segundo Kelly Cheeseman, portavoz da Amazon, apenas os trabalhadores dos fulfillment centers – onde os pedidos dos clientes são embalados e enviados – são elegíveis para o programa. “Uma pequena porcentagem de funcionários aceita a oferta”, disse ela. “Queremos que eles fiquem, mas nós também queremos que só quem realmente queira fique aqui.” Fonte: TheTennessean

IDC: nos próximos 4 anos, mercado de computação vestível deve crescer 78%/ano

Os dispositivos de computação vestível “deram um enorme passo em frente” no ano passado e os embarques de smartwatches e similares irão crescer 78% ao ano até 2018, afirmou o IDC nesta quinta-feira, 10/4. O número de dispositivos deve ultrapassar 19 milhões até o final de 2014, o triplo do ano passado. E, em 2018, esse número deve chegar a quase 112 milhões. O IDC pela primeira vez emitiu uma previsão que divide o mercado em três categorias: acessórios complexos, acessórios inteligentes e vestíveis inteligentes. A categoria de acessórios complexos inclui faixas de fitness usadas no pulso, como a Nike+ e a FuelBand Fitbit. Alguns destes dispositivos custam até menos de US$ 50, mas a maioria gira em torno de US$ 100. Eles operam parcialmente quando não conectados e totalmente, quando conectados via bluetooth. O segmento médio, acessórios inteligentes, vão ganhar impulso lentamente e superar os embarques de acessórios complexos até 2018. Esses dispositivos também dependem de conexões com hardware IP, como smartphones, mas permitem que os usuários adicionem aplicativos de terceiros para aumentar recursos e funções. Exemplos incluem os relógios Samsung Galaxy Gear, Sony SmartWatch e Pebble. A terceira e mais complexa categoria – vestíveis inteligentes, como o Google Glass – está apenas em estágios iniciais. Apenas em 2016 as vendas desses produtos chegarão a 2 milhões de unidades. Vestíveis inteligentes serão quase totalmente independentes de outros dispositivos, exceto para acesso à Internet. Algumas empresas já estão fazendo experiências com usos para o Google Glass, que ainda está sendo vendido apenas para early adopters em um programa especial, a um custo de US$ 1.500 – um preço que se espera caia substancialmente uma vez os navios de vidro. O Google está acenando com uma liberação planejada em 2014, mas alguns analistas têm dúvidas. O IDC disse que a Apple deve entrar no mercado de tecnologia vestível em 2015, embora alguns relatórios esperassem o anúncio de um produto ainda este ano. Os rumores fala em um SmartWatch, que estão chamando de iWatch. Fonte: Computerworld

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: