Agilidade, a mágica do marketing moderno? E outras questões

24/03/2014

Agilidade, a mágica do marketing moderno?

Novo livro defende um relacionamento diferente entre modelos tradicionais e tecnológicos

6a00e55225079e883401347fde2b9a970c 800wi 260x216 Apple is doing you a favor by controlling iAd. Stop your whining.

iAd, da Apple, vai fornecer insights do consumidor para anunciantes. Confira abaixo

Marketing e tecnologia vão se tornar cada vez mais interligados à medida em que avançamos no século 21, afirma Scott Brinker, em seu novo livro A New Brand of Marketing: The 7 Meta-Trends of Modern Marketing as a Technology-Powered Discipline, que investiga alguns dos grandes choques para o status quo que a mudança tecnológica vai aplicar na indústria. Segundo o co-fundador e CTO da Ion Interactive, a questão não é o marketing tradicional sendo substituído pelo digital. É mais como um aumento, diz ele. “O fato é que quase toda a nossa infraestrutura de marketing é conduzido por software. Mesmo em malas diretas. Claro, a peça real que está sendo entregue é tangível, mas você

certamente usa software sofisticado para determinar o destinatário, a agenda de envio e o gerenciamento do retorno e de taxas de conversão. Você vê isso em todos os lugares. Tudo o que está acontecendo nos dias de hoje, seja em um canal físico ou em um canal digital, está sendo correlacionado ou coordenado pela tecnologia digital. Marketing é um mundo digital, neste ponto, independentemente dos canais que você usa para executá-lo.” Outro ponto enfatizado é a necessidade de modelos mais ágeis. “É imperativo para nós, como profissionais de marketing”, escreve, “entender que o ambiente em que estamos operando está mudando muito mais rápido do que antes. O marketing tem um rico legado de ser conduzido pelos planejadores de longo prazo. O problema é que esse tipo de planejamento está em desacordo com a capacidade de se adaptar e ser mais flexível às mudanças no mercado. Eu não estou sugerindo que você vá para o mercado sem nenhum plano e improvise a cada semana. Pelo contrário, queremos ver algo um pouco mais híbrido. Você ainda quer um plano ou uma visão abrangente. O que você está tentando fazer, o público que você está mirando, como você quer atingi-los – estratégia de alto nível. Mas, quando se trata de execução, você precisa deixar mais espaço para mudar prioridades, mudar táticas, etc. Há muitos precedentes em projetos de desenvolvimento de software. É uma solução e pode torná-lo mais eficaz em ser adaptável, mas é também uma maneira cultural e gerencialmente diferente de lidar com marketing.” Fonte: DMNews

RP pode ser automatizado? Tecnologias promocionais estão vindo por aí

A indústria de Relações Públicas precisa urgentemente adotar novas tecnologias, afirma analista da área

Segundo Tom Foremski, do site Silicon Valley Watcher, a indústria da mídia está sendo arrastada a contragosto para o mundo moderno e forçada a adotar novas tecnologias e reformular drasticamente suas operações. O sucesso disso depende de uma combinação de três componentes: profissionalismo, conteúdo gerado pelo usuário e máquinas inteligentea (por exemplo, agregadores automatizados de notícias). O site Buzzfeed é um exemplo disso: tem top jornalistas que produzem conteúdo original, faz grande uso das mídias sociais e tem uma plataforma de tecnologia que alavanca os algoritmos de distribuidores como o Facebook e o Twitter. A Forbes é outro exemplo de uma grande empresa de mídia, com jornalistas profissionais, artigos gerado pelo usuário e uma boa plataforma tecnológica. A área de Relações públicas também tem sido arrastada para o mundo moderno (embora reclamando sobre o trabalho extra gerado pelas mídias sociais), mas não mudou muito de fato. Ainda é um negócio muito artesanal, feito à mão – o uso de tecnologia restringe-se a hashtags do Twitter e um painel de monitoramento dos “curtir” e compartilhamentos. Mas sem um componente de tecnologia realmente significativo, a atividade vai continuar em grande desvantagem, porque não é escalável: não pode crescer sem aumentar o número de pessoas. É certamente por isso que o valor das empresas de RP são baixos em comparação com suas receitas. E as torna vulneráveis ​​a concorrentes de fora da área que podem descobrir e automatizar tecnologias de promoção. Tom cita o projeto Intel Free Press e a Impress Labs, que publica newsletters sobre energia solar e outras energias limpas e está agregando publicações sobre o assunto no seu Solar Channel. Fonte: SiliconValleyWatcher 

Anunciante pode receber insights do consumidor via iAd, da Apple

Implicações para a indústria são enormes, comentou um especialista do setor

A iAd, rede de publicidade multiplataforma da Apple, passou a oferecer aos anunciantes informação sobre se os usuários estão interagindo com suas mensagens. Interessante é que o recurso não foi anunciado pela Apple e sim mencionado pela primeira vez em um post no blog no site HasOffers de mobile ad analytics. “A Apple até agora era uma espécie de gigante adormecido à margem do espaço de publicidade móvel. Você não via muito deles. [o novo recurso] tem o potencial de mudar a forma como funciona o ad networking”, disse Ray “R” Wang, da Constellation Research. Até o final de 2016, a publicidade móvel deve chegar a 24,5 bilhões de dólares, prevê a Spectrum Research. Fonte: VentureBeat

Anúncios dentro de imagens: IAB divulga guia de melhores práticas

O novo formato – in-image ads – exigiu um complemento ao documento que o IAB tinha lançado sobre publicidade nativa

Os anúncios sobrepostos em imagens editoriais relevantes nos sites não são o tipo mais comum de publicidade digital. Mas com o crescimento da chamada “visual Web” nos últimos anos e a explosão de fotos online, esse é potencialmente um formato que pode crescer muito. Inclusive já várias empresas oferecendo soluções de “in-image ads”: GumGum, Luminate (apoiada pelo Google), Speed Shift Media, Stipple e Vibrant Media. Para ajudar as empresas e os editores a obter um controle mais apurado sobre o formato, o Interactive Advertising Bureau (IAB) publicou na semana passada uma cartilha, incluindo definição, princípios de divulgação e estudos de caso (http://www.iab.net/inimage). O documento é um complemento do “native advertising playbook” (http://www.iab.net/nativeplaybook) que o IAB lançou em dezembro e que definiu seis categorias básicas de anúncios nativos e as diretrizes para o seu uso. O novos documento coloca os “in-image ads” dentro da categoria “custom/can’t be contained” mas sugere que logo poderão ser considerados um tipo de anúncio nativo próprio. O guia destaca que os “in-image ads” vêm em diferentes formas, de simples displays a listas de produtos inseridos em imagens ou vídeo ou anúncios de “rich-media” que só aparecem quando o usuário passa o mouse sobre a imagem ou clica no anúncio. E como os anúncios aparecem em linha com o conteúdo que alguém está vendo, o documento afirma que os “in-image ads” têm mais visibilidade do que os anúncios tradicionais. Fonte: MediaDailyNews 

As matérias acima foram publicadas no Portal Abemd e farão parte da seção Marketing Diálogo pelo Mundo da próxima edição da revista Marketing Direto

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: